Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Cirurgia desenvolvida no BOS ganha destaque

17 de Março de 2021

Cirurgia desenvolvida no BOS ganha destaque Técnica ajuda quem tem degeneração marginal pelúcida. Crédito da foto: Reprodução / Internet

Uma pesquisa desenvolvida pelo Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) sobre a doença de ectasia bilateral da córnea acaba de ser publicada pela “Cornea: The Journal of Cornea and External Disease”, a principal revista voltada a especialistas em córnea em todo o mundo. A inclusão na publicação retrata o reconhecimento internacional ao estudo, já que antes de serem compartilhados todos os dados são revisados por um conselho de oftalmologistas de renome mundial.

O tema discutido no trabalho aborda uma técnica utilizada pelos profissionais do BOS no momento da cirurgia. “No caso dessa doença, para essas pessoas que possuem degeneração marginal pelúcida (DMP), a córnea fica mais bicuda e saliente, ocorrendo também um afinamento na periferia inferior da córnea, o que impossibilita o transplante convencional, diante da alta taxa de rejeição. Então, como método de solução, a técnica utilizada, e que abordamos na pesquisa, tem como objetivo aumentar a espessura da periferia da córnea”, explica Adriana Forseto, diretora médica e coordenadora da área de ensino em Oftalmologia do BOS.

Assim, essa técnica permite que o paciente tenha uma melhor adaptação ao uso das lentes de contato após o procedimento e, caso seja necessário um transplante futuro de córnea, a espessura será a adequada para uma cirurgia segura e mais confortável, com a realização dos pontos e o transplante centralizado.

A pesquisa científica publicada contou com a participação, além da diretora médica do BOS, dos médicos oftalmologistas Nicolas Pereira, chefe do setor de córnea, Ângela Nosé, que é residente, e Thiago Gonçalvez. “A publicação dá uma visibilidade muito grande ao serviço desenvolvido, não só internamente no BOS, mas também projeta as produções feitas no Brasil dentro do meio acadêmico internacional. A ‘Cornea Jornal’ tem um impacto muito significativo na área de córnea”, comenta a dra. Adriana.

Além do reconhecimento internacional, a diretora médica destaca que as produções científicas, assim como o desenvolvendo e atualização das técnicas cirúrgicas buscam melhorar o atendimento à população. “É a partir das pesquisas que conseguimos descobrir novas técnicas e sempre o maior beneficiado são os nossos pacientes”, pontua a especialista. (Da Redação)