fbpx
Cuide-se

Exercícios físicos durante a gravidez: afinal, pode ou não pode?

Decisão deve respeitar a realidade de cada mulher e ser tomada em conjunto com profissionais da saúde
Existem pesquisas que comprovam que a prática de exercícios físicos durante a gravidez é segura e pode promover benefícios tanto à saúde da mãe quanto do bebê. Crédito da foto: Pxhere

A gravidez é um momento de respeito ao corpo, tanto o da futura mamãe quanto o do embrião que se desenvolve em seu ventre. Para muitos, isso é sinônimo de relaxamento e repouso, uma fase em que tudo deve ser feito com mais cuidado. Nos últimos tempos, contudo, não é incomum encontrar gestantes nas academias, inclusive participando de sessões de crossfit e musculação, o que pode causar espanto e, eventualmente, até julgamentos.

De fato, o assunto é polêmico. Muitos estudos estão voltados à análise dos possíveis danos oferecidos à saúde materna e do feto, mas há também aqueles, mais recentes, que destacam os aspectos positivos. Atualmente, existem pesquisas que comprovam que a prática de exercícios físicos durante a gravidez, desde que realizada de forma responsável e acompanhada, é segura e pode promover benefícios tanto à saúde da mãe quanto do bebê.

No ano de 2002, o American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG), uma associação profissional de obstetras e ginecologistas dos Estados Unidos, passou a recomendar que mulheres grávidas estabeleçam pelo menos 30 minutos ou mais de treinos aeróbicos e de força, com intensidade moderada, desde que não existam complicações médicas ou obstétricas e que a rotina seja acompanhada por profissionais, jamais sem supervisão. Isso pode evitar que as mulheres ganhem peso em demasia — o que, de fato, acontece; segundo outra pesquisa realizada pelo ACOG, 47% das grávidas ganham mais peso do que o indicado durante a gestação.

Leia mais  Mortes por câncer de próstata estão ligadas ao preconceito

No Brasil, um estudo realizado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) revelou que apenas 12,9% das gestantes declaram realizar algum tipo de atividade física durante a gestação. Dessas, 4,7% contam que praticaram exercícios físicos durante todo o período gestacional. Em Campinas, somente 13% das gestantes desenvolviam algum tipo de atividade física, e dentre elas, somente metade realizava os exercícios com a frequência orientada pelo ACOG.

Para a profissional da Educação Física Layane Mariano, passar pela gestação sem fazer exercícios pode, no fim das contas, ser mais prejudicial do que o sedentarismo em si. “O sedentarismo é um fator que traz muitos riscos para a saúde de qualquer pessoa. Quanto às grávidas, os riscos podem ser ainda maiores, como o desenvolvimento de hipertensão e diabetes gestacional”, destaca.
“A prática de exercícios físicos durante a gestação diminui a ocorrência de complicações obstétricas, permitindo um controle maior do ganho de peso da mãe, além de contribuir positivamente para as questões psicológicas, reduzindo as chances de depressão e estresse”, completa Sérgio Pistarino, formado em Medicina Esportiva pela Universidade de São Paulo (USP).

Leia mais  Diabetes é uma doença silenciosa e atinge 13 milhões de brasileiros

Treino e gravidez

“Eu disse que iria treinar até o dia do meu parto se Deus permitisse, e assim foi!” Quem conta a sua história é Suelen Lima, formada em Educação Física e mamãe recente, que treinou durante toda a gravidez. Ela afirma que os treinos durante a gestação lhe fizeram muito bem: “Treinar grávida me fez um bem danado, e não digo isso só em relação aos aspectos físicos, mas também em relação aos psicológicos.”

A vantagem dela é que, antes de engravidar, Lima já era ativa, praticando várias modalidades e competindo como atleta amadora em campeonatos de crossfit. Ainda assim, apesar da experiência na área, ela relembra a importância de seguir as recomendações médicas e respeitar os limites do próprio corpo: “Meu médico recomendou que eu continuasse com os treinos até quando eu aguentasse. Então, eu fui no meu tempo, sem jamais forçar meu corpo. Minha barriga demorou um pouquinho para aparecer, então, no comecinho, parecia tudo normal. Meus treinos eram de baixo peso e eu nunca ficava sem fôlego. Não deixava chegar no meu limite e, se necessário, fazia aquela pausa.”

Leia mais  Unimed Sorocaba tem 15 novos anestesistas cooperados

Para as mulheres que não eram tão ativas fisicamente antes de constatar a gravidez, mas procuram sair do sedentarismo, Lima deixa um aviso: “A gravidez não é um tempo de começar algo novo. Eu costumo dizer que não dá para começar a fazer treinos de crossfit na gravidez, por exemplo. É um tempo para adaptar a sua rotina habitual, desde que você tenha a aprovação dos médicos e dos profissionais que estão te acompanhando.”

“As atividades mais recomendadas geralmente são as praticadas na água, como a natação e a hidroginástica, porque elas evitam o impacto e auxiliam nas dores lombares e no inchaço”, recomenda Pistarino. Esses tipos de exercícios são reconhecidamente aqueles que causam menor impacto ao corpo humano.

Júlia De Sá
(Agência Focs / Jornalismo Uniso)

Comentários