Buscar no Cruzeiro

Buscar

Internacional

Presidente argentino causa mal-estar com fala sobre brasileiros

10 de Junho de 2021 às 00:01
Da Redação com Estadão Conteúdo
Fala de Fernández foi na Casa Rosada.
Fala de Fernández foi na Casa Rosada. (Crédito: JUAN MABROMATA / AFP)

O presidente argentino, Alberto Fernández, provocou ontem mal-estar diplomático ao declarar, durante encontro na Casa Rosada com o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, que os “brasileiros vieram da selva”, enquanto os argentinos chegaram “de barcos vindos da Europa”.

Imediatamente após a gafe na Casa Rosada, o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, rebateu a declaração e escreveu em sua conta no Twitter: “Presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou que, enquanto seu povo veio de barcos da Europa, brasileiros vieram da selva. Não dirão que foi racista contra indígenas e africanos que formaram o Brasil? Porém, afirmo: o barco que está afundando é o da Argentina.”

O incidente foi causado por uma confusão do presidente argentino. “Os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros vieram da selva, mas nós, argentinos, viemos de barcos. Barcos que vinham da Europa, e assim construímos nossa sociedade. O meu Fernández é uma prova disso”, declarou durante encontro com o chefe de governo espanhol.

O presidente argentino creditou sua inspiração a uma frase erroneamente atribuída ao diplomata mexicano e Nobel da Paz Octavio Paz, que teria dito que “os mexicanos são descendentes de astecas, os peruanos, dos incas e os argentinos, dos barcos”. Meios de comunicação locais, no entanto, identificaram que o trecho vem de uma música chamada Llegamos de los Barcos, do cantor argentino Litto Nebbia, que diz exatamente as mesmas palavras.

Mais tarde, diante da repercussão negativa, Fernández tentou contornar o mal-estar. “Afirmou-se mais de uma vez que os argentinos descendem de navios. Na primeira metade do século 20, recebemos mais de 5 milhões de imigrantes que viviam com nossos povos nativos. Nossa diversidade é um orgulho”, escreveu o presidente argentino no Twitter. “Eu não quis ofender ninguém. Em todo caso, peço desde já desculpas a quem se sentiu ofendido.” (Da Redação com Estadão)