Buscar no Cruzeiro

Buscar

Geral

Brasil e Índia têm mais da metade dos casos globais de Covid da última semana

Cientista disse que a vacinação na Índia não será suficiente para diminuir os casos da doença

03 de Maio de 2021 às 12:37
Estadão Conteúdo
FILE PHOTO: A worker performs a quality check in the packaging facility of Chinese vaccine maker Sinovac Biotech, developing an experimental coronavirus disease (COVID-19) vaccine, during a government-organized media tour in Beijing, China, September 24, 2020. REUTERS/Thomas Peter/File Photo
FILE PHOTO: A worker performs a quality check in the packaging facility of Chinese vaccine maker Sinovac Biotech, developing an experimental coronavirus disease (COVID-19) vaccine, during a government-organized media tour in Beijing, China, September 24, 2020. REUTERS/Thomas Peter/File Photo (Crédito: REUTERS/Thomas Peter/File Photo)

Os casos de covid-19 nas últimas semanas superam os registros dos primeiros seis meses da pandemia de covid-19, com Índia e Brasil, juntos, respondendo por mais da metade das infecções nos últimos sete dias, segundo afirmou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (3).

Cientista chefe do órgão multilateral, Sumya Swaminathan disse que a vacinação na Índia não será suficiente para diminuir agora os casos da doença, já que o processo de imunização demora "algum tempo" para ter efeito sobre o alastramento do vírus. Por isso, disse, medidas sanitárias seguem necessárias. Ainda há, acrescentou Swaminathan, um problema de fornecimento de vacinas, diante das poucas doses disponíveis para uso no mundo inteiro.

Para mitigar este problema, Tedros disse que seria importante quebrar as patentes dos imunizantes para acelerar a produção. "Se não podemos usar esta ferramenta em um momento de tamanha urgência, quando poderemos?", questionou o diretor-geral da OMS. Ele afirmou esperar que os países se convençam de que esta é a melhor forma de proceder no momento, após elogiar as iniciativas de África do Sul e Índia de apoiar a quebra das propriedades intelectuais.

Ainda sobre vacinas, a chefe do setor de vacinas da OMS, Mariângela Simão, disse que o imunizante da chinesa Sinopharm deve ter sua avaliação final concluída ainda nesta semana. Já a Sputnik V, do Instituto Gamaleya da Rússia, ainda precisa ter seu dossiê completo entregue à OMS, para que o grupo de especialistas da entidade comece a avaliar a possibilidade de expedir uma autorização de uso emergencial ao produto.