Buscar no Cruzeiro

Buscar

Economia

Saldo de emprego de 2020 cai 47% depois de revisão

Número real foi de 75 mil vagas de trabalho abertas no ano passado

04 de Novembro de 2021 às 00:01
Cruzeiro do Sul [email protected]
Criação de empregos foi menor que o divulgado anteriormente.
Criação de empregos foi menor que o divulgado anteriormente. (Crédito: FÁBIO ROGÉRIO / ARQUIVO JCS (1/7/2021))

Após o governo ter negado por meses a subnotificação de demissões no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) na pandemia, o saldo de vagas com carteira assinada em 2020 já caiu pela metade após as revisões mensais.

Em janeiro, o Ministério da Economia divulgou a criação líquida de 142.690 empregos em 2020, mas o número real já despencou para 75.883 com os dados apresentados pelas empresas ao longo deste ano, conforme revelado pelo portal R7.

O resultado de 2020 ainda é positivo, mas sofreu redução de 46,82%. Revisões em dados do Caged são corriqueiras e podem demorar até 12 meses, mas a magnitude da discrepância confirma que um número maior de empresas atrasou a notificação de demissões.

O primeiro impacto da pandemia sobre o Caged foi um “apagão” de dados no começo do ano passado. No fim de março de 2020, o Ministério da Economia decidiu suspender a divulgação dos saldos do Caged de janeiro e fevereiro. Com o passar das semanas, os dados de março também caíram nesse limbo.

Em abril deste ano, o Estadão/Broadcast mostrou que economistas seguiam suspeitando de que empresas que faliram na crise haviam deixado de comunicar um volume alto de demissões ao Caged.
O pesquisador do Ibre/FGV Daniel Duque, um dos que previram a subnotificação, diz que as revisões mensais a partir das declarações fora do prazo são comuns, mas ressalva: “Os números não são ruins, mas é preciso ter cautela antes de estourar o champanhe”.

Em nota, o Ministério do Trabalho e Previdência diz que as declarações fora do prazo “não invalidam a trajetória de recuperação do emprego formal desde julho de 2020”. Segundo a pasta chefiada por Onyx Lorenzoni, em 2021, o País já registra saldo de mais de 2,5 milhões de empregos formais. O ministério não informou, mas esse número também pode mudar com os ajustes a serem feitos pelas empresas.

O Ministério do Trabalho também esclareceu que todos os meses as empresas enviam ao governo as declarações de admissões e desligamentos de empregados para aquela competência e também para meses anteriores. “Essas declarações são consideradas fora do prazo e sua inclusão nas estatísticas do Caged resultam atualização de competências anteriores”, explicou.

Ainda segundo o ministério, os dados anunciados do Caged são informações declaradas pelas empresas e podem ser ajustados para 2020 até o final de 2021. “Todos os meses esses dados são atualizados e disponibilizados de forma transparente no painel público do Caged”, informou. (Estadão Conteúdo e Redação)