Buscar no Cruzeiro

Buscar

Economia

Bolsonaro reconhece problemas na economia

20 de Agosto de 2021 às 00:01
Estadão Conteúdo [email protected]
O presidente Jair Bolsonaro.
O presidente Jair Bolsonaro. (Crédito: ISAC NÓBREGA / ARQUIVO PR)

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu ontem que a economia brasileira passa por “problemas”, como o avanço da inflação, mas voltou a jogar a culpa pela situação no colo dos governadores. “Isso é consequência da política do ‘fique em casa’”, declarou a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, em referência, mais uma vez, às medidas de isolamento social adotadas pelos governos estaduais para conter a pandemia de Covid-19, seguindo orientações de autoridades sanitárias.

O avanço nos preços do gás de cozinha -- que, em algumas regiões do País, já supera os R$ 100, corroendo o poder de compra da população -- também foi colocado por Bolsonaro como culpa dos governadores. “O preço do gás não está caro, está R$ 45. Eu zerei o imposto federal. Cadê os governadores para não zerar o imposto federal do gás? Aí chega a R$ 130 na ponta da linha”, disse o presidente.

Como já mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, do preço final do botijão, a maior parte fica com a Petrobras, que é responsável por quase a totalidade do fornecimento de gás de cozinha no País: 49%. Outros 36% ficam com as distribuidoras (que fazem a aquisição, armazenamento, envasamento, transporte, comercialização e controle de qualidade) e os pontos de revenda; e 14,5% são impostos estaduais (ICMS).

Entre julho de 2020 e junho deste ano, de acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), o preço final do botijão aumentou 25%, de R$ 69,96 para R$ 87,44, em média.

O chefe do Executivo usou o mesmo discurso para falar sobre o preço da gasolina. “Custa R$ 1,95 na refinaria, chega a R$ 6, R$ 7, na ponta”, declarou. (Estadão Conteúdo)