Buscar no Cruzeiro

Buscar

Economia

Inflação registra alta de 0,96% em julho

Energia elétrica, alimentos e combustíveis impulsionaram o IPCA no mês passado, conforme o IBGE

11 de Agosto de 2021 às 00:01
Estadão Conteúdo [email protected]
Gasolina subiu 39,65% nos 12 meses encerrados em julho.
Gasolina subiu 39,65% nos 12 meses encerrados em julho. (Crédito: VINICIUS FONSECA / ARQUIVO JCS (22/10/2020))

A inflação oficial no País acelerou a 0,96% em julho, o maior resultado para o mês desde 2002, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgados ontem pelo IBGE. É também o maior índice mensal este anos. A taxa de inflação acumulada pelo IPCA em 12 meses subiu a 8,99%, o maior patamar desde maio de 2016.

Segundo o IBGE, os aumentos sucessivos em itens monitorados pelo governo, como a energia elétrica e os combustíveis, contribuem para o movimento, junto com o encarecimento das carnes -- o produto ficou 34,28% mais caro nos últimos 12 meses.

A energia elétrica acumula aumento de 20,09%. A gasolina subiu 39,65% nos 12 meses encerrados em julho, enquanto o etanol aumentou 57,27%. O gás de botijão ficou 29,29% mais caro.

Conforme o IBGE, a energia elétrica subiu 7,88% só em julho, o equivalente a mais de um terço da inflação, em função da alta de 52% na cobrança extra sobre a conta de luz pelo acionamento da bandeira tarifária vermelha patamar 2. O encarecimento da eletricidade também é consequência de reajustes tarifários em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre.

Houve aumento ainda nos preços de itens como gás de botijão, gás encanado, aluguel residencial, condomínio e taxa de água e esgoto. Os alimentos também ficaram mais caros, com o encarecimento de tomate, frango, leite longa vida e carnes.

O único grupo com queda de preços foi o de saúde e cuidados pessoais, graças à redução no valor do plano de saúde, determinada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Projeções

O resultado veio dentro do esperado, mas o cenário é bastante desafiador e não dá sinais de folga, avaliou o economista Victor Wong, da gestora de recursos Vinland Capital. “As expectativas de inflação estão sensíveis à inflação corrente. Inércia de inflação alta e expectativas acima da meta tornam o quadro mais desafiador”, disse.

Os avanços de preços em bens industriais e em serviços deixam um sinal de alerta muito forte, opinou o economista-chefe da AZ Quest, Alexandre Manoel. A pressão nos preços administrados pelo governo, em razão da crise hídrica, também chama a atenção.

“São diversos os fatores que influenciam no movimento de preços. Existe a questão de repasse de custos, altas de energia elétrica, combustíveis, gás. Isso tudo pode influenciar lojista e empresário a repassar esse aumento de custos para o consumidor final”, afirmou André Almeida, analista do Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE. “O mês de julho teve influência, principalmente, da alta de energia elétrica, gás, combustíveis, passagens aéreas”, afirmou. (Estadão Conteúdo)