Buscar no Cruzeiro

Buscar

Economia

Guedes compara IR de dividendos com outros países

Ministro da Economia disse ainda que "os tempos são difíceis politicamente"

10 de Julho de 2021 às 00:01
Estadão Conteúdo
Paulo Guedes participou ontem de evento na FGV.
Paulo Guedes participou ontem de evento na FGV. (Crédito: EDU ANDRADE / MINISTÉRIO DA ECONOMIA)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender ontem a tributação sobre o pagamento de dividendos no Brasil, um dos pontos defendidos pelo governo de Jair Bolsonaro na reforma tributária. “O Imposto de Renda sobre dividendos está entre 20% e 40% em todo mundo”, disse Guedes. “No Brasil, é zero.”

Na última quarta-feira, dia 7, Guedes já havia criticado o fato de não haver cobrança de imposto sobre os dividendos pagos no Brasil, ao contrário do verificado entre os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O Brasil não faz parte do grupo.

Guedes afirmou ainda que, em tese, o ideal seria que a tributação sobre dividendos ocorresse “antes”, para que a estrutura financeira fosse neutra. “Mas socialmente é muito difícil explicar”, disse o ministro. O ministro afirmou ainda que “tudo é mais difícil no mundo real”, por causa dos lobbies e dos interesses em matérias econômicas. “Temos de andar sempre em direção ao melhor possível”, acrescentou.

Em outro momento, Guedes disse que “os tempos são difíceis politicamente”. Ao abordar a pandemia do novo coronavírus, ele defendeu que o caminho mais adequado para o governo era o de promover as reformas estruturantes.

Guedes participou na tarde de ontem de evento da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em homenagem ao professor e economista Carlos Langoni, ex-presidente do Banco Central e que morreu em junho, vítima da Covid-19.

Paulo Guedes afirmou que Langoni foi um dos difusores no Brasil da ideia de que o conhecimento faz a diferença. Ao homenagear o economista, o ministro fez ainda um paralelo entre a divisão ideológica que atingiu a economia na década de 1970 e a divisão ideológica atual.

“Estamos vivendo a mesma divisão ideológica até hoje”, afirmou Guedes, em evento virtual com alguns dos principais economistas do Brasil, que conviveram com Langoni. “O que nos une a todos economistas é acreditar nas ciências econômicas. Nós acreditamos ‘diferente’ da ideologia”, disse Guedes. “A ideologia já fazia um papel destrutivo naquela época”, acrescentou, em referência às discordâncias intelectuais entre fiscalistas e monetaristas na década de 1970, quando conheceu Langoni.

Empresas

Guedes também sinalizou em retirar o que os empresários definiram como “maldades” da Receita Federal da proposta apresentada para reformular o Imposto de Renda. Críticos do projeto, os empresários disseram que o Fisco se aproveitou da reforma para dar uma “facada” nas empresas, ao fazer cálculos conservadores do impacto das medidas previstas, elevando a carga tributária do setor.

Ao ministro, os empresários disseram que a Receita quis acertar “diferenças antigas” relativas às questões operacionais que não são o foco principal do projeto. Segundo apurou o Estadão, o ministro sinalizou a retirada desses pontos, classificados como acessórios, e prometeu recalibrar a dosagem das alíquotas.

Em entrevista ao Estadão, o próprio relator do projeto, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), antecipou que iria enxugar do texto as medidas criticadas pelo setor empresarial, que dificultariam o que a Receita vê hoje como brechas usadas pelas empresas para pagar menos impostos, entre elas, mecanismos de reorganização societária. (Estadão Conteúdo)