Buscar no Cruzeiro

Buscar

Programa social

Bolsonaro: governo pretende elevar média do Bolsa Família para R$ 250

Segundo o presidente, o aumento deve entrar em vigor a partir de agosto ou setembro

28 de Abril de 2021 às 12:42
Estadão Conteúdo
O valor médio do Bolsa Família pode aumentar dos atuais R$ 190 para R$ 250
O valor médio do Bolsa Família pode aumentar dos atuais R$ 190 para R$ 250 (Crédito: Ana Nascimento/CCE 02/01/2020)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou, na manhã desta quarta-feira (28), durante encontro com apoiadores na saída do Alvorada, que o governo pretende elevar a média do benefício que é pago pelo programa Bolsa Família de cerca de R$ 190 para R$ 250, a partir de agosto ou setembro. Bolsonaro não especificou a origem dos recursos.

"Só com o auxílio emergencial, no ano passado, nós gastamos mais do que 10 anos de Bolsa Família. Então, para o PT, que fala tanto em Bolsa Família, hoje, a média está em R$ 192. O auxílio emergencial está em R$ 250. É pouco, sei que é pouco, mas é muito maior que a média do Bolsa Família. A gente pretende passar para R$ 250 agora em agosto ou setembro", afirmou o presidente.

Durante o encontro, Bolsonaro também fez críticas ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e a partidos de esquerda na América Latina. "Não estou preocupado com política, mas votar em um cara com um passado desses não tem cabimento", disse Bolsonaro.

Pesquisas de opinião recentes colocam o petista empatado ou numericamente a frente de Bolsonaro para um eventual embate à Presidência da República em 2022.

"O cara (Lula) fez obras em várias ditaduras do mundo. Petrobras? Vocês estão pagando a conta. A gasolina está alta? Vocês estão pagando a conta. Foram R$ 230 bilhões de refinarias que ele começou e não terminou. A propina, né? Plataformas e etcetera. E tem gente que acha que esse cara pode ser a solução", disse Bolsonaro, que também fez críticas a governos de esquerda em países vizinhos. "Quem botou a Argentina e os nossos irmãos argentinos naquela desgraça foi a família Kirchner. E agora, quando o Macri estava terminando o mandato dele - houve alguns problemas no governo dele - o pessoal retornou a família Kirchner, quem botou a Argentina na desgraça, para comandar o país."