Buscar no Cruzeiro

Buscar

Turismo no País tem prejuízo de R$ 65,6 bi durante pandemia

23 de Abril de 2021 às 00:01
Estadão Conteúdo
Setor aéreo sofre o maior impacto por desde o ano passado
Setor aéreo sofre o maior impacto por desde o ano passado (Crédito: Mauro Pimentel / Arquivo AFP (13/4/2021))

Desde o início da pandemia da Covid-19 até fevereiro deste ano, o turismo no Brasil acumulou prejuízo de R$ 65,6 bilhões, aponta levantamento realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Segundo a entidade, o resultado é 38,1% menor do que o do mesmo período entre março de 2019 e fevereiro de 2020. Em meio à crise, o setor perdeu mais de um terço do seu tamanho.

A pesquisa aponta que as piores perdas do ciclo ocorreram no segundo trimestre de 2020, quando o turismo nacional chegou a encolher pela metade. Dali em diante, apesar de seguir fechando no vermelho, as quedas tiveram patamares menores do que esses. A queda de 29,1% no faturamento de fevereiro último (R$ 9,35 bilhões) fez com que o setor completasse um ano inteiro contabilizando resultados negativos a cada mês.

A principal área impactada é o setor aéreo, que perdeu 59,6% do seu faturamento. Só em fevereiro, a queda foi de 49,6%, ou seja, a metade do que o setor faturou em fevereiro de 2020, às vésperas da crise. Com uma queda na oferta de assentos, a tendência é que os prejuízos do setor aéreo sigam sendo contabilizados nos próximos meses.

Depois das companhias aéreas, os serviços de alimentação e alojamento, como hotéis e pousadas, registraram a maior queda no faturamento desde o começo da crise do Covid-19, com prejuízo de 41,1%. Em seguida, a concentração do acúmulo de perdas refere-se às atividades culturais, recreativas e esportivas, que viram o faturamento cair 32,1% no período.

Programa

Depois de ser aprovado, no Congresso, o projeto de lei que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), a medida depende apenas da sanção do Executivo para entrar em vigor. O texto em via de aprovação prevê o parcelamento de débitos das empresas dos setores do turismo e de eventos com a Receita, com descontos nos pagamentos e o estabelecimento de alíquota zero para tributos como PIS/Pasep. Uma vez no Perse, as empresas serão enquadradas no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). (Estadão Conteúdo)