Buscar no Cruzeiro

Buscar

Economia

Experiência ajudou Brasil a tomar medidas contra inflação, diz Guedes

Ministro da Economia participou do Fórum Econômico Mundial

21 de Janeiro de 2022 às 14:41
Cruzeiro do Sul [email protected]
 Ministro da Economia, Paulo Guedes, durante coletiva onde fez um balan..o do ano de 2021
Ministro da Economia, Paulo Guedes, durante coletiva onde fez um balan..o do ano de 2021 (Crédito: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Ag..ncia Brasil)

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (21), durante sua participação no Fórum Econômico Mundial, que a inflação será "um verdadeiro problema" para o mundo ocidental, mas que o Brasil, devido às experiências anteriores de convívio e combate a altas taxas inflacionárias, foi mais rápido que outros países no sentido de adotar medidas contra a alta de preços.

A fala do ministro foi feita após participações de autoridades do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Central Europeu, no painel Perspectivas Econômicas Globais, que teve como tema principal a influência da pandemia no aumento dos índices inflacionários.

Na avaliação da diretora de Gestão do FMI, Kristalina Georgieva, é fundamental entender que a inflação está mais alta e persistente em alguns países, e que este é "um problema específico a cada país". Segundo ela, essas especificidades marcarão o ano de 2022.

"Não será possível manter todas as políticas em todas as partes, o que fará o combate mais complicado em alguns países", disse Georgieva.

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, acrescentou que a autoridade monetária precisa estar atenta "às cifras apresentadas em cada país", e que em muitos casos a superação e a conservação de empregos foi subestimada, disse ela ao defender atenção a problemas relativos ao mercado de trabalho.

"Na França vemos indicadores específicos como negociações coletivas de salários na qual empregadores e sindicatos levam em conta os índices de inflação. No entanto, em outros países não estamos vendo essas negociações avançarem", disse Lagarde.

"Estávamos acostumados a níveis baixos de inflação. E agora temos de ver quanto isso vai durar, e vai durar", acrescentou.

Em seu discurso, o ministro Paulo Guedes disse que "a inflação será um verdadeiro problema para o mundo ocidental", exatamente por não estarem acostumados a lidar com esse tipo de problema. "O Brasil, devido à experiência trágica prévia com inflação, se mobilizou de forma mais rápida", disse o ministro.

"Meu medo agora é que a besta está fora da garrafa [nos países ocidentais]. Não acredito que a inflação seja transitória. Penso que os elementos adversos que alimentam a inflação vão diminuir gradualmente, mas não há mais arbitragem a ser explorada pelo ocidente. Penso que os bancos centrais estão dormindo enquanto dirigem. Eles têm de ficar atento porque a inflação será um problema real em breve para o ocidente", argumentou.

Referindo-se ao comentário de Lagarde sobre os governos terem de ficar atentos ao que ocorre no mercado de trabalho, Guedes lembrou que, em 2019, o mundo estava, segundo diversas autoridades monetárias em uma "desaceleração sincronizada".

"Fomos então afetados pela covid-19 e respondemos [no Brasil] de forma a evitar uma grande depressão. Agora estamos de volta à situação de desaceleração sincronizada e avanço de economias. Mas agora a inflação está aí. A questão é saber o quão transitórios são esses fatores", completou o ministro brasileiro. (Agência Brasil)