Buscar no Cruzeiro

Buscar

Política

Doria diz que deve buscar diálogo com Moro, Mandetta, Pacheco e Tebet

Doria disputa a indicação do PSDB para concorrer ao Palácio do Planalto

20 de Novembro de 2021 às 19:38
Cruzeiro do Sul [email protected]
Governador João Doria. Crédito da Foto: Divulgação / Governo do Estado de SP (10/03/2021)
Governador João Doria. Crédito da Foto: Divulgação / Governo do Estado de SP (10/03/2021) (Crédito: Governador João Doria. Crédito da Foto: Divulgação / Governo do Estado de SP (10/03/2021))

Na véspera das prévias que escolherão o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que, se escolhido para representar o partido na corrida eleitoral, deverá buscar diálogo com outros nomes da chamada "terceira via".

Ele citou nominalmente o ex-juiz da Operação Lava Jato Sergio Moro (Podemos), o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), e a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Doria disputa a indicação do PSDB para concorrer ao Palácio do Planalto com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite - chamado pelo paulista de "jovem" - e com o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio, tido como menos competitivo. A votação das prévias tucanas será realizada neste domingo.

"Se eu vencer as prévias do PSDB, essa será a nossa conduta de isenção, humildade e desentendimento, sem prerrogativa de nenhuma parte", afirmou o governador paulista em coletiva de imprensa neste sábado, em Brasília.

Na avaliação do tucano, os nomes citados da terceira via são pessoas "muito qualificadas" e "experientes na vida política". "Terceira via, se não for fragmentada, será a melhor via. E terá toda a chance de disputar segundo turno das eleições presidenciais e vencer", declarou.

Questionado se aceitaria ceder a cabeça de chapa a uma outra figura política, Doria afirmou que "nada pode ser descartado". "Não se pode iniciar conversa já estabelecendo condições para conversa. Democracia deve ser entendida de outra maneira".

O governador paulista ainda voltou a defender a realização de prévias no PSDB. "Sairemos fortalecidos, todos serão vitoriosos, não teremos derrotados amanhã", disse Doria. "Considero que será muito difícil para o PSDB futuramente não seguir mesmo procedimento de escolha de candidato para a Presidência da República e até governos estaduais", acrescentou.

Após a coletiva de imprensa, o governador seguiu para um jantar com prefeitos e lideranças tucanas no hotel Royal Tulip Brasília, um dos mais luxuosos da cidade. A reportagem acompanhou os ajustes finais da estrutura de som e de grandes painéis de LED exibindo fotos do governador e a mensagem "Para o PSDB voltar a vencer. João Doria".

Depois do evento, Doria encerrará a agenda do dia na residência do líder do PSDB no Senado, Izalci Lucas (DF).

Além de Doria, estiveram na coletiva de imprensa tucana o vice-governador paulista, Rodrigo Garcia (PSDB); o secretário do Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marco Vinholi; o coordenador da campanha de Doria nas prévias, Wilson Pedro; os deputados federais Alexandre Frota (SP), Beto Pereira (MS) e Ruy Carneiro (PB); e a deputada estadual Carla Morando (SP). Tomas Covas, filho de Bruno Covas, prefeito de São Paulo falecido em 16 de maio, no exercício do mandato, também marcou presença.

A votação

As prévias do PSDB ocorrem neste domingo. Os filiados poderão votar das 7 horas às 15 horas por meio de um aplicativo. Haverá uma cerimônia no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, onde o vencedor será anunciado às 17 horas.

Doria é apontado por lideranças políticas e analistas como favorito na disputa com uma margem estreita em relação a seu principal adversário, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. O ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio também é candidato.

Após o anúncio de que Doria daria uma entrevista coletiva de imprensa neste sábado, Leite também resolveu atender aos jornalistas. O gaúcho falará com jornalistas no restaurante brasiliense Galeteria Beira Lago, antes de jantar com apoiadores, marcado para começar às 20 horas. (Estadão Conteúdo)