Buscar no Cruzeiro

Buscar

Covid-19

Brasil tem 2º dia seguido com menor média móvel de óbitos

Índice revela o número de mortes por Covid nos últimos sete dias

01 de Setembro de 2021 às 00:01
Da Redação [email protected]
O avanço da vacinação está na raiz da diminuição de óbitos.
O avanço da vacinação está na raiz da diminuição de óbitos. (Crédito: ANDRE BORGES / AFP)

O Brasil registrou 839 mortes e 24.589 casos de Covid-19 de segunda para terça-feira (31). Desta forma, a média móvel de mortes foi a mais baixa do ano pelo segundo dia seguido, uma vez que o índice que revela o número de mortes referentes aos últimos sete dias ficou em 667 nesta terça-feira, contra 675 da segunda-feira.

A média manteve-se abaixo de 700 pelo sexto dia consecutivo. O maior valor foi registrado em 12 de abril, quando chegou a 3.124. Os dados são do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), atualizados nesta terça-feira.

Os números, no entanto, fizeram o País ultrapassar a marca dos 580 mil mortos desde o início da pandemia -- agora são 580.413 mortes e 20.776.870 casos confirmados da doença desde março de 2020. Em números absolutos, São Paulo é o Estado mais atingido, com mais de 4 milhões de casos e 145 mil óbitos registrados até o momento.

O levantamento do Conass compila dados de secretarias de Saúde dos 26 Estados e do Distrito Federal, mas os dados do Ceará não foram computados por problemas técnicos, de acordo com o Conass.

Ainda há 461.010 casos em acompanhamento, que indica o número de casos ativos da doença, que estão sendo atendidas por equipes de saúde ou se recuperando em casa.

O número de pessoas que se recuperaram da doença subiu para 19.735.447. Isso corresponde a 95% das pessoas infectadas no Brasil desde o início da pandemia.

A justificativa para a diminuição da média de mortes seria o avanço da vacinação no país. O Ministério da Saúde estima distribuir até o dia 15 deste mês vacinas suficientes para aplicar a primeira dose em toda a população adulta. De acordo com a pasta, 32 milhões de brasileiros maiores de 18 anos ainda não receberam o imunizante. (Da Redação)