Buscar no Cruzeiro

Buscar

Vacinação

17,5% da população foi vacinada no Brasil

13 de Maio de 2021 às 00:01
Da Redação [email protected]
37,1 milhões de brasileiros receberam ao menos uma dose da vacina contra Covid.
37,1 milhões de brasileiros receberam ao menos uma dose da vacina contra Covid. (Crédito: FRED TANNEAU / AFP)

O número de pessoas vacinadas com ao menos uma dose contra a Covid-19 no Brasil chegou ontem (12), a 37.197 671, o equivalente a 17,57% da população total. Nas últimas 24 horas, 695.475 pessoas receberam a vacina, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto a secretarias de 26 Estados e Distrito Federal.

Entre os mais de 37 milhões de vacinados, 18.658.972 receberam a segunda dose, o que representa 8,81% da população com a vacinação completa contra o novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, 278.294 pessoas receberam essa dose de reforço. Somando as vacinas de primeira e segunda dose aplicadas, o Brasil aplicou 973.769 imunizantes nesta quarta-feira.

Em termos proporcionais, o Rio Grande do Sul e o Mato Grosso do Sul são os Estados que mais vacinaram sua população até aqui: 22,63% dos habitantes de cada local receberam ao menos a primeira dose. A porcentagem mais baixa é encontrada em Roraima, onde 11,34% receberam a vacina. Em números absolutos, o maior número de vacinados com a primeira dose está em São Paulo (9,01 milhões), seguido por Minas Gerais (3,88 milhões) e Bahia (2,82 milhões).

Óbitos e infecções

O número de casos de pessoas infectadas com o novo coronavírus subiu para 15.359.397. Em 24 horas, as autoridades de saúde confirmaram 76.692 novos diagnósticos positivos da doença.

Segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado ontem (12), 1.007.146 pessoas estão em acompanhamento. O termo é empregado para infectados com casos ativos de contaminação pelo novo coronavírus.

Já o total de mortes em função da Covid-19 subiu para 428.034. Entre ontem e hoje, foram acrescidas às novas estatísticas 2.494 novos óbitos.

Ainda há 3.678 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada após a declaração do óbito. (Da Redação com Agência Brasil e Estadão Conteúdo)