Buscar no Cruzeiro

Buscar

Geral

Ex-ministros e presidente da Anvisa serão ouvidos na CPI

30 de Abril de 2021 às 00:01
Da Redação com Estadão Conteúdo
Membros da CPI realizaram mais uma reunião de trabalho para definir convocações.
Membros da CPI realizaram mais uma reunião de trabalho para definir convocações. (Crédito: Marcos Oliveira / Agência Senado)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado aprovou ontem os requerimentos para convocação dos ex-ministros da Saúde do governo Jair Bolsonaro e do atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga, que devem ser ouvidos pelo colegiado na semana que vem O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, também foi convocado para prestar depoimento na próxima semana.

As primeiras convocações da CPI da Covid representam uma derrota para o Palácio do Planalto, colocando a gestão do Executivo federal no foco inicial das investigações. Aliados do presidente Jair Bolsonaro criticaram a atuação da comissão e tentaram, sem sucesso, votar ao mesmo tempo requerimentos de interesse direto do presidente da República.

Ninguém ainda é formalmente investigado pela CPI da Covid.

Os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich devem ser ouvidos na próxima terça-feira, 4. Na quarta, 5, a CPI vai coletar o depoimento de Eduardo Pazuello, que ficou mais tempo à frente da pasta durante a pandemia de Covid-19 e é um dos principais alvos da investigação.

Na quinta-feira, 6, os senadores querem ouvir o depoimento do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. As autoridades podem recusar a convocação ou até mesmo ficarem caladas durante a audiência.

Relatoria

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal, negou o pedido de senadores governistas para retirar o senador Renan Calheiros (MDB-AL) da CPI da Covid ou então cassar sua indicação para a relatoria do grupo. Segundo o ministro, o caso se trata de discussão interna do Senado e, por isso, não cabe atuação do Judiciário.

A decisão de Lewandowski foi dada no âmbito de mandado de segurança protocolado no STF na noite de terça, 27, pelos senadores Jorginho Mello (PL-SC), Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Podemos-CE), alinhados com o Palácio do Planalto. Os parlamentares atribuíram suposta “suspeição” à Renan em razão de “parentesco sanguíneo com um possível investigado” -- o governador de Alagoas, Renan Filho. (Da Redação com Estadão Conteúdo)