Buscar no Cruzeiro

Buscar

Geral

Senadores vão ao STF contra Renan na CPI

29 de Abril de 2021 às 00:01
Estadão Conteúdo
Senador Renan Calheiros.
Senador Renan Calheiros. (Crédito: EDILSON RODRIGUES / AGÊNCIA SENADO)

Os senadores Jorginho Mello (PL-SC), Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Podemos-CE), parlamentares alinhados com o Palácio do Planalto, acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que a corte retire o senador Renan Calheiros (MDB-AL) da CPI da Covid em razão de suposta “suspeição”. Caso o pedido principal não seja atendido, os governistas pedem que a corte ao menos declare o “impedimento” de Renan e casse sua indicação para a relatoria do colegiado. O ministro Ricardo Lewandowski foi sorteado relator de ação.

No mandado de segurança protocolado no STF na noite desta terça-feira, 27, os parlamentares vinculam a suposta “suspeição” de Renan ao “parentesco sanguíneo com um possível investigado” -- o governador de Alagoas, Renan Filho. A CPI foi proposta inicialmente com o objetivo de investigar apenas as ações e omissões do governo federal na pandemia, mas após pressão do Palácio do Planalto, o alvo do colegiado foi ampliado e passou a incluir eventuais desvios de recursos federais enviados a Estados e municípios.

Renan já havia abordado o assunto na sexta-feira, 23, quando avisou pelo Twitter que se declarava “parcial” para tratar qualquer tema na CPI que envolva Alagoas. “Não relatarei ou votarei. Não há sequer indícios quanto ao Estado, mas a minha suspeição antecipada é decisão de foro íntimo”, disse ele.

Os governistas argumentam que Renan já manifestou “posicionamento antecipado contra a Presidência da República e sua gerência‘ no combate à pandemia. Aliados do presidente Jair Bolsonaro já fizeram outras tentativas para impedir que Renan assumisse a relatoria da CPI conforme haviam acordado senadores independentes e da oposição. Nas redes sociais, bolsonaristas têm feito pressão contra o senador porque ele não apenas é crítico de Bolsonaro como apoia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Estadão Conteúdo)