Buscar no Cruzeiro

Buscar

vacinas

Queiroga cita ‘dificuldade’ para a entrega da 2ª dose

Ministério aponta atrasos de novos lotes do Butantan como causa

27 de Abril de 2021 às 02:22
Cruzeiro do Sul [email protected]
No Senado, ministro da saúde afirma que publicará nota técnica sobre aplicação de vacinas
No Senado, ministro da saúde afirma que publicará nota técnica sobre aplicação de vacinas (Crédito: Evaristo Sá / AFP)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta segunda-feira (26), que há preocupação sobre a falta da 2ª dose da vacina Coronavac. Em audiência pública no Senado, ele citou atrasos na entrega de novos lotes do imunizante envasado pelo Instituto Butantan. Sem entrar em detalhes, o ministro disse que irá divulgar nota técnica sobre a aplicação da vacina neste cenário.

No fim de março, o governo federal passou a orientar que não era mais preciso reservar metade dos lotes da Coronavac para garantir a segunda dose. No último dia 13, a Saúde disse que mais de 1,5 milhão de pessoas não retornaram para receber o complemento da vacinação dentro do prazo. “Agora, em fase de retardo do insumo, há dificuldade com essa segunda dose”, disse o ministro. Segundo Queiroga, nova entrega da Coronavac só deve ocorrer em 10 dias.

O ministro citou decisão da Justiça para garantir o estoque da vacina complementar em João Pessoa (PB). “Só que, se todos judicializarem, não tem doses para todo mundo. Não é a judicialização que vai resolver esse problema”, declarou.

O ministério tem cobrado que municípios se organizem para garantir que o intervalo entre as aplicações das vacinas da Covid-19 seja respeitado. Segundo levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM), divulgado no último dia 16, cerca de 1.426 municípios não reservaram a segunda dose da vacina. A entidade recebeu cerca de 3 mil respostas sobre o tema.

Queiroga também disse aos senadores que mudanças feitas por prefeitos e governadores na ordem de prioridades da vacinação atrapalham a campanha nacional contra a Covid-19. O ministro pediu respeito à lista elaborada pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). “Ocorre que na ‘bipartite’ (reunião entre Estados e municípios), às vezes se muda orientação para incluir um grupo ou outro. Isso termina por alterar a harmonia do nosso programa. Atrapalha o processo de vacinação”, disse o ministro.

Segundo Queiroga, não há razão para criar polêmica sobre a diferença entre vacinas distribuídas e já utilizadas, pois muitas foram reservadas para a segunda aplicação ou estão em rota de entrega até os municípios.

O ministro foi questionado por senadores sobre as aglomerações promovidas pelo presidente Jair Bolsonaro, além da falta de campanha eficaz de comunicação do governo federal sobre o uso de máscara e o distanciamento social. Na sua resposta, Queiroga ignorou o comportamento do presidente e disse que as campanhas devem ser ampliadas. “A gente ainda não conseguiu convencer a população brasileira em relação aos malefícios dessas aglomerações fúteis”, afirmou. (Mateus Vargas - Estadão Conteúdo)