Exterior

Universidades cancelam aulas em meio a protestos em Hong Kong

Forças policiais relataram que um policial abriu fogo contra manifestantes na manhã desta segunda-feira
Muitas universidade em Hong Kong cancelaram as aulas devido a manifestações. Crédito da foto: Yara Nardi

Muitas universidade em Hong Kong cancelaram as aulas nesta segunda-feira (11) devido a manifestações que levaram à interrupção parcial dos serviços de transporte público. Jovens do território responderam à convocação de protestar contra a polícia e o governo, obstruindo ruas e trilhos do metrô pela manhã.

Essa movimentação forçou as operadoras de trens e ônibus a suspender parcialmente os serviços de transporte. Também houve convocações para boicote às aulas e a organização de protestos sentados em universidades e escolas do ensino médio.

Estudantes do ensino médio que participaram do ato do lado de fora de sua escola, em um distrito central, convocaram a população a tomar Hong Kong de volta. Um participante de 16 anos disse que a polícia está usando força excessiva e que o governo deveria ouvir a opinião pública.

Confrontos

Forças policiais relataram que um policial abriu fogo contra manifestantes na manhã desta segunda-feira (11). Autoridades afirmam que um homem de 21 anos se encontra em estado crítico. Um vídeo mostra o policial lutando com um manifestante antes de atirar contra ele à queima-roupa.

Logo em seguida, o policial atirou mais duas vezes em direção a outra pessoa que participava do protesto. O incidente é apenas mais um em uma série de confrontos violentos que ocorreram em toda a cidade, com a realização de protestos que tiveram como objetivo tumultuar os deslocamentos hoje.

A polícia vem utilizando gás lacrimogêneo e spray de pimenta para tentar dispersar as aglomerações de pessoas. As manifestações tiveram início há cinco meses, devido à preocupação de que a China estivesse tentando aumentar a sua influência sobre a região semiautônoma.

Desde então, mais de 3 mil pessoas já foram presas. Na semana passada, houve o primeiro caso de morte relacionado aos protestos, quando um estudante de 22 anos perdeu a vida após cair de um edifício-garagem durante uma operação policial. (NHK – Emissora pública de televisão do Japão)

Leia mais  Renúncia de Evo Morales deixa vácuo de poder na Bolívia
Comentários