fbpx
Exterior

Trump pede união no Congresso mas insiste na construção do muro

"Os muros funcionam e muros salvam vidas", disse Trump
Donald Trump
O presidente também anunciou o segundo encontro de cúpula com Kim Jong Un – Foto: Doug Mills/POOL/AFP

Diante do Congresso, o presidente americano, Donald Trump, pediu na noite desta terça-feira (5) a concórdia e o compromisso para superar a paralisação política, mas insistiu na necessidade de construir um muro na fronteira com o México, tema que provoca profundas divisões.

Trump usou o tradicional discurso anual sobre o Estado da União, exibido na TV em horário nobre para uma grande audiência, para pedir unidade, sem deixar de criticar o que considera investigações “ridículas” e “partidárias”, em referência ao inquérito sobre um suposto conluio de sua campanha presidencial com a Rússia, algo que ofusca seu mandato.

Dois anos após o início de seu mandato e com a reeleição em 2020 na mira, Trump enfrenta tudo menos unidade: os democratas controlam a Câmara de Representantes e os republicanos o Senado, mas sua retórica inflamada afeta sua posição até mesmo dentro de seu partido.

“Devemos rejeitar a política da vingança, a resistência e a represália. E abraçar o potencial ilimitado de cooperação, o compromisso e o bem comum”, disse Trump, em um discurso interrompido várias vezes pelos aplausos de seus partidários.

Leia mais  Theresa May vai à Irlanda do Norte para buscar acordo sobre fronteira

 

“Podemos superar as velhas divisões, curar velhas feridas, formar novas coalizões, encontrar novas soluções (…) A decisão é nossa”, afirmou, diante de mais de 500 congressistas, incluindo muitas democratas vestidas de branco para homenagear o centenário do movimento sufragista.

A construção do muro

A apenas 10 dias do fim do prazo que deu ao Congresso para financiar seu muro, e evitar assim um novo conflito orçamentário como o que provocou a paralisação recente de 35 dias do governo – um recorde -, o presidente afirmou que prosseguirá com seu principal projeto para frear a imigração ilegal, que a oposição democrata rejeita de modo veemente.

“Vou fazer com que construam”, prometeu. “Os muros funcionam e muros salvam vidas. Então vamos trabalhar juntos, encontrar um compromisso e chegar a um acordo que realmente faça os Estados Unidos seguros”, acrescentou Trump.

Leia mais  Papa Francisco faz visita histórica à Península Arábica

 

Mas ele não declarou a “emergência nacional” que havia ameaçado, algo que concederia poderes extraordinários à presidência para tomar decisões sem o aval do Congresso, o que os democratas já anunciaram que impugnariam. “São os imigrantes, não os muros, que fazem os Estados Unidos mais fortes”, afirmou após o discurso Stacey Abrams, que por pouco não se tornou a primeira governadora negra da Geórgia nas eleições de novembro e foi designada para apresentar a resposta ao presidente em nome dos democratas.

No discurso, Trump criticou a investigação do promotor especial Robert Mueller sobre a suposta interferência russa, o que ele chama de “caça às bruxas”. “Um milagre econômico está ocorrendo nos Estados Unidos, e a única coisa que pode impedi-lo são guerras tolas, políticas ou investigações partidárias ridículas”, disse, o que gerou uma reação de desagrado da influente presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi.

Coreia do Norte, talibãs e Venezuela

Trump também defendeu sua política externa, ume tema delicado. “As grandes nações não travam guerras intermináveis”, disse, depois da derrota sofrida na segunda-feira no Senado com a aprovação, por ampla maioria, de uma emenda que critica sua decisão de retirar as tropas americanas da Síria e do Afeganistão.

O republicano afirmou que as negociações com os talibãs avançam de forma “construtiva”, demonstrando esperança e, ao mesmo tempo, cautela sobre a possibilidade de encerrar a guerra mais longa da história dos Estados Unidos, iniciada pouco depois dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Leia mais  Incêndio em prédio deixa pelo menos oito mortos em Paris

 

Como era esperado, o presidente anunciou o segundo encontro de cúpula com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, no fim de fevereiro no Vietnã, para prosseguir com as negociações sobre o desarmamento nuclear da Coreia do Norte. “Se eu não tivesse sido eleito presidente dos Estados Unidos, estaríamos agora, em minha opinião, em uma grande guerra com a Coreia do Norte”, disse Trump.

Ao falar sobre as duras negociações comerciais com a China, o tom foi duro. “Agora deixamos claro para a China, depois de anos assediando nossas indústrias e roubando nossa propriedade intelectual, que o roubo de empregos e riqueza nos EUA terminou”, disse o presidente em seu discurso sobre o Estado da União.

Trump destacou ainda o apoio à “busca da liberdade” na Venezuela, denunciando a “brutalidade do regime” de Nicolás Maduro e reiterando o apoio ao “novo presidente interino” Juan Guaidó. “Estamos com o povo venezuelano em sua nobre busca pela liberdade”, disse Trump. O enviado de Guaidó a Washington, Carlos Vecchio, foi um dos convidados especiais do discurso.

Trump prometeu ainda enfrentar epidemias, como a dos opioides e de HIV. “Meu orçamento pedirá aos democratas e republicanos que destinem os recursos necessários para eliminar a epidemia de HIV nos Estados Unidos em 10 anos, e juntos derrotaremos a aids na América e além”, disse.

O presidente concluiu o discurso de pouco mais de 80 minutos com o mesmo tom unificador do início de sua fala: “Devemos escolher se nos definimos por nossas diferenças ou se temos a audácia de transcendê-las”. O discurso foi interrompido por um “Parabéns a Você” no momento em que Trump apresentou Judah Samet, um sobrevivente do massacre na sinagoga de Pittsburgh em outubro do ano passado. “Não fariam isto por mim”, brincou o presidente. (Alina Dieste – AFP)

Comentários