Exterior

Trump diz que pode entrar na Justiça contra redes sociais

Presidente se manifestou após o Twitter suspender a conta da secretária de imprensa da Casa Branca
Twitter anuncia que deixará de aceitar propaganda política em todo mundo
suspendeu temporariamente a conta da secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany. Crédito da foto: Alastair Pike / AFP (10/7/2019)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou operadoras de redes sociais por bloquearem a disseminação de mensagens de seus apoiadores e sugeriu que pode entrar com ação na Justiça para impedir que essas empresas continuem fazendo isso. “Twitter e Facebook são como um terceiro braço do Partido Democrata”, acusou o líder americano.

Nesta quarta-feira (14), o Twitter suspendeu temporariamente a conta da secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, depois que ela publicou o link de uma reportagem do New York Post que denunciava que um suposto esquema envolvendo Hunter Biden, filho do candidato democrata à presidência, Joe Biden. Segundo a rede social, a publicação violava as normas da plataforma porque continha informações pessoais, como números de telefones e endereços de e-mail.

Pacote fiscal

Donald Trump também disse nesta quinta que está disposto a aumentar o valor da proposta da Casa Branca por um pacote fiscal de US$ 1,8 trilhão. Em entrevista à Fox Bussiness, o republicano disse que vê chances de que o governo chegue a um acordo com a oposição antes da eleição de 3 de novembro. “Queremos mais estímulos”, pontuou. Trump também prometeu que, se reeleito, poderá reduzir o imposto de renda para a classe média – e voltou a acusar Joe Biden de querer elevar a carga tributária no país.

China

Em meio à escalada das tensões entre Estados Unidos e China, Donald Trump afirmou nesta quinta que não conversa com o presidente chinês, Xi Jinping, “há um tempo” e que não pretende entrar em contato com ele no futuro próximo. “O coronavírus é culpa da China”, acusou, na entrevista à Fox Bussiness.

O republicano acrescentou que não vai impor nova quarentena nos EUA, mesmo que haja uma segunda onda de casos de Covid-19 durante o inverno. Ele também demonstrou otimismo de que vencerá a eleição de 3 de novembro. “As pesquisas eleitorais estavam erradas em 2016 e estão erradas agora”, disse Trump. (Estadão Conteúdo) 

Comentários