Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

São mais de 300 mortos e 1.400 feridos na Indonésia por causa de tsunami

24 de Dezembro de 2018

Onda gigante não pôde ser detectada por ter sido provocada pela erupção e não terremoto.  Crédito da foto: Jewel Samad/ AFP

As buscas por sobreviventes do tsunami na Indonésia foram reforçadas nesta segunda-feira (24), conforme cientistas coletam evidências sobre como uma erupção vulcânica provocou a tragédia. O número de mortes confirmadas já chegou em 373 e há mais de 1.400 feridos, além de 128 desaparecidos. A onda gigante atingiu as ilhas de Sumatra e Java na noite de sábado (22) após o vulcão Anak Krakatau entrar em erupção.

Hotéis e centenas de casas foram seriamente danificadas pelas ondas. Pedaços de concreto e madeira são vistos nas áreas costeiras, transformando praias populares quase em cidades-fantasma.

[irp posts="57797" ]

 

A Associação Médica Indonésia da região enviou médicos, materiais e equipamentos e afirmou que muitos dos feridos precisam de cirurgias ortopédica e cerebral. A maioria das vítimas é composta por turistas locais que estavam visitando as praias durante o fim de semana antes do Natal.

Foi o segundo tsunami mortal que atingiu a Indonésia neste ano. Em setembro, um terremoto desencadeou uma onda gigante que atingiu as ilhas Celebes, dando aos moradores um aviso rápido antes do tsunami chegar.

No sábado (22), entretanto, o chão não tremeu para alertar as pessoas antes das ondas arrancarem prédios e varrer centenas de espectadores de um show que acontecia à beira-mar.

O presidente da Indonésia, Joko Widodo, afirmou que todo o equipamento usado para detecção de tsunamis será substituído ou consertado.

Porém, a chefe da Agência de Meteorologia, Climatologia e Geofísica, Dwikorita Karnawati, disse nesta segunda-feira (24) que o tsunami foi causado por atividade vulcânica e não poderia ter sido detectado pelos sensores, que monitoram apenas terremotos e movimentações das placas tectônicas. Com o vulcão ainda em atividade, Karnawati alertou que a população evite atividades perto da costa nos próximo dias. (Fonte: Associated Press - Estadão Conteúdo)