Covid-19 Exterior

Rússia enfrenta crises na economia e saúde pela covid-19

O desemprego aumentou para 6,3% em outubro
Otan pede que a Rússia revele programa de armas químicas
Presidente da Rússia Vladimir Putin. Crédito da Foto: Agência Brasil

O panorama é desolador, com um castigo duplo: a Rússia, que rejeitou um novo confinamento para preservar sua economia, enfrenta agora um saldo exponencial de vítimas humanas pela covid-19, além de uma séria crise econômica.

“Isso não é uma brincadeira. O desemprego está aumentando, a renda diminuindo, os produtos básicos estão mais caros”, disse teatralmente o presidente Vladimir Putin ao seu governo nesta terça-feira (15).

Após meses de inflação e de pobreza em alta, em um contexto de pandemia, as autoridades decidiram soar os alarmes na semana passada. Entre janeiro e novembro, o preço do açúcar aumentou 70%, o do macarrão, 10%, e o óleo de girassol, 24%.

“É inaceitável”, declarou o presidente, encarregando seus ministros de adotar medidas de emergência antes das festas de fim de ano e de seu anual encontro televisionado previsto para quinta-feira. Nesse evento, Putin responderá as perguntas dos cidadãos e da imprensa, em meio ao descontentamento econômico e social. O presidente russo terá de defender um balanço econômico e sanitário pelo menos medíocre.

Desemprego e pobreza

O desemprego aumentou para 6,3% em outubro, quando chegou a segunda onda da epidemia, contra 4,7% em março, antes do confinamento. Entre janeiro e setembro, a renda disponível dos russos caiu 4,3%.

Leia mais  Araraquara entra em lockdown para frear disseminação de Covid-19

Apesar disso, as autoridades renunciaram a um segundo confinamento para tentar salvar a economia e o poder aquisitivo dos russos, apostando no sucesso futuro da vacina Sputnik-V e na construção de vários hospitais gigantes em Moscou, pulmão econômico e principal foco epidêmico.

As autoridades se congratularam pelo sucesso de sua estratégia, exibindo uma mortalidade na Rússia menor que na Europa, com 48.000 mortos por covid-19 confirmados nas necropsias, sobre um total de 2,7 milhões de casos. No entanto, os dados demográficos estimam um balanço muito mais grave.

A agência de estatísticas russa Rosstat registrou em outubro de 2020 cerca de 50.000 mortes adicionais em relação a outubro de 2019. Entre março e o final de outubro, a sobremortalidade subiu para quase 165.000 óbitos em comparação com o mesmo período de 2019. Isso se deve, sem dúvida, à definição russa muito restritiva sobre o que constitui uma morte causada pelo coronavírus.

20 milhões de pobres

Enquanto isso, o ministro do Trabalho, Anton Kotiakov, declarou em outubro que havia 20 milhões de pobres na Rússia. Segundo a Rosstat, o número de russos que vivem abaixo do limite da pobreza aumentou em 1,3 milhão no segundo trimestre em relação ao primeiro.

Leia mais  Capital vai negociar compra de vacina com laboratórios

Em matéria macroeconômica, o governo russo prevê uma queda do PIB de -3,9% em 2020, embora o Banco Central aposte em uma queda de 4-5%, números que são melhores do que os esperados para alguns países da Europa Ocidental. Isso não faz, porém, os russos esquecerem a queda de seu padrão de vida e a desvalorização do rublo, que perdeu um terço de seu valor desde janeiro, o que reduziu ainda mais seu poder de compra. (Andrea Palasciano/AFP)

Comentários