Exterior

Papa preside Via Crucis sem público

Papa preside Via Crucis sem público
Celebração foi na praça de São Pedro. Crédito da foto: Andreas Solaro / AFP

O papa Francisco presidiu ontem (2) à noite, na praça de São Pedro, sua segunda Via Crucis sem público por causa da pandemia, mas com a participação de crianças italianas.

Em 2020, o sumo pontífice confiou a presos a leitura de textos sobre a Paixão de Cristo, de sua condenação a crucificação e sepultamento, mas este ano foi a vez das crianças e adolescentes de um grupo de escoteiros e uma paróquia romana que ajuda os mais vulneráveis.

Às 16h de Brasília (19h GMT), em frente a uma praça deserta, a cerimônia começou com a presença do papa, instalado em frente à basílica de São Pedro. No total, estiveram presentes na cerimônia 200 pessoas entre religiosos, crianças e convidados que pareciam perdidos na imensidão solene da praça.

Ao longo das 14 estações que ilustram a Paixão de Cristo, encenadas ao redor do obelisco que fica no centro da praça, crianças contaram anedotas sobre sua vida cotidiana. A pandemia que afeta o mundo há mais de um ano esteve muito presente.

Na nona estação, a que lembra a queda de Jesus, uma menina mencionou as mudanças que a Covid provocou em sua vida.

Leia mais  Estudo aponta risco maior de trombose cerebral em quem teve Covid-19

“Desde o ano passado, não voltamos a visitar nossos avós (…) Sinto muita falta deles! (…) Às vezes me sinto sozinha. A escola está fechada”, disse. Cada estação foi ilustrada por desenhos feitos pelas crianças.

Amanhã (4), o papa pronunciará a bênção “Urbi et Orbi”‘ (à cidade de Roma e ao mundo), tradicional no Natal e na Páscoa.

Moradores de rua

Também ontem (2), o papa Francisco saudou os moradores de rua ou em dificuldade que estavam sendo vacinados no átrio da Sala Paulo VI, em razão de uma campanha de vacinação para os mais vulneráveis que o Vaticano organizou. Ele também acenou para médicos e enfermeiras, acompanhou o procedimento de preparação das doses da vacina e falou às pessoas que aguardavam a vacinação, que são pessoas acolhidas e acompanhadas por algumas associações romanas. (AFP)

Comentários