fbpx
Exterior

Novo delator aponta pressão de Trump à Ucrânia

O novo personagem pode dar aos democratas novos elementos para a investigação que pretende levar ao impeachment do presidente
Há suspeita de que Trump usou US$ 391 milhões, destinados a assistência, como barganha para assegurar uma promessa do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski. Crédito da foto: Mandel Ngan / AFP.

Um segundo delator garante ter evidências da pressão do presidente Donald Trump sobre o governo ucraniano para investigar um rival político, o democrata Joe Biden, e seu filho Hunter Biden. O novo personagem, também um agente de inteligência, pode dar aos democratas novos elementos para a investigação que pretende levar ao impeachment do presidente.

O advogado Mark Zaid, que representa os dois informantes, disse que o segundo deles pode corroborar informações prestadas pelo primeiro. O agente já falou a órgãos de apuração internos. A queixa do primeiro delator, apresentada ao inspetor-geral em 12 de agosto, citava informações recebidas de autoridades americanas que expressaram a preocupação de que Trump usava o cargo para solicitar interferência estrangeira em sua busca por um segundo mandato em 2020. Zaid afirma que o segundo agente “também fez uma delação protegida sob a lei e não pode sofrer retaliação”.

Leia mais  Presidente do Suriname é condenado a 20 anos de prisão

Há suspeita de que Trump usou US$ 391 milhões, destinados a assistência, como barganha para assegurar uma promessa do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, de investigar Biden e seu filho, que trabalhou como diretor em uma companhia energética ucraniana, a Burisma. “Meu escritório e minha equipe representam múltiplos delatores ligados às divulgações de 12 de agosto de 2019 ao inspetor-geral da comunidade da inteligência”, disse Andrew Bakaj, um segundo advogado, em publicação no Twitter. A Casa Branca é acusada de acobertar o caso.

Mensagens de texto do Departamento de Estado revelaram outros detalhes, incluindo a promessa de que o presidente ucraniano seria recebido em Washington se ajudasse na investigação. Zelenski visitou a Casa Branca em setembro e, na semana passada, o novo procurador-geral ucraniano, Ruslan Ryaboshapka, disse que reabrirá a investigação sobre o caso. Trump e seus aliados alegam que não fizeram nada errado. O presidente pediu publicamente que a China também ajude apurar suspeitas envolvendo a família Biden.

Quem tem se beneficiado dessas acusações mútuas é a senadora democrata Elizabeth Warren, que em algumas pesquisas já aparece à frente de Biden como principal pré-candidata democrata. A política de Massachusetts tem um discurso mais à esquerda em relação a Biden, um moderado que foi vice de Barack Obama.

Leia mais  Trump diz que apoia povo de Hong Kong após eleições locais

Trump admite que os democratas na Câmara têm votos suficientes para fazer o processo de impeachment avançar, mas ressalta que a maioria republicana no Senado deve impedir sua destituição. A Câmara precisa de uma maioria simples de 218 legisladores para enviar as acusações ao Senado. Os democratas ocupam 235 cadeiras das 435.

No Senado, o pedido deve ter o apoio de dois terços da Casa, ou seja, 67. Hoje, há 53 republicanos, 45 democratas e 2 independentes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Estadao Conteudo)

Comentários