Exterior

Londres culpa Putin pelo envenenamento de ex-espião

O MP diz que tem evidências contra dois agentes da inteligência militar russa , o que, para Londres, foi uma falha de controle do presidente
Londres acusa Vladimir Putin em última instância pelo envenenamento de um ex-espião e de sua filha. Crédito da foto: Yuri Kadobnov/ AFP

O governo britânico acusou o presidente russo Vladimir Putin de ser o responsável em última instância pelo envenenamento de um ex-espião russo e de sua filha em março, uma acusação que Moscou negou e chamou de “inaceitável”. O Ministério Público britânico anunciou na quarta-feira que tem evidências suficientes para acusar dois cidadãos russos, identificados como Alexander Petrov e Ruslan Boshirov, de acordo com seus passaportes, que podem ser falsos, pela tentativa de assassinato do ex-espião russo Sergei Skripal, sua filha Yulia e um policial britânico, que foi envenenado quando prestou ajuda, em 4 de março em Salisbury, no sudoeste da Inglaterra.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou horas depois que os dois eram agentes da inteligência militar russa, o GRU, e que teria dirigido toda a operação de envenenamento com Novichok, uma substância neurotóxica poderosa surgida de um programa químico desenvolvido na antiga União Soviética.

Nesta quinta-feira, o secretário de Estado britânico para Segurança, Ben Wallace, disse em declarações à rádio BBC4 que Londres considera Putin o responsável pelo ataque. “Em última análise, na medida em que ele é o presidente da Federação Russa e seu governo controla, financia e dirige inteligência militar através do ministério da Defesa”, disse Wallace. “Eu não acho que alguém possa dizer que Putin não tem controle sobre seu Estado (…) E o GRU não é, sem dúvida, independente do Estado”, acrescentou. “Está ligado a altos funcionários russos e ao ministro da Defesa, e através deles ao Kremlin e ao gabinete do presidente”, disse ainda.

Leia mais  Flórida proíbe consumo de álcool em bares

O governo britânico pediu uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU. Pouco antes de seu início, Londres recebeu o apoio dos líderes dos Estados Unidos, Canadá, França e Alemanha. “Temos total confiança nas afirmações britânicas de que os dois suspeitos eram oficiais dos serviços de inteligência militar russos (…) e que esta operação foi, quase com certeza, aprovada a um nível elevado do governo”, afirma o texto divulgado em Londres.

Um porta-voz de Downing informou que Theresa May conversou com o presidente americano Donald Trump, com o francês Emmanuel Macron, com o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e com a chanceler alemã Angela Merkel nos últimos dias.

Moscou reagiu com indignação à postura de Londres: “para nós, este tipo de acusação contra um líder russo é inaceitável”, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.  “Nem as autoridades máximas da Rússia, nem outras, nem nenhum representante oficial tem relação com esses fatos ocorridos em Salisbury”, ressaltou.

Desde o início, o governo britânico atribuiu o ataque contra Skripal à Rússia, que sempre negou categoricamente qualquer envolvimento. Também negou saber quem são os dois russos acusados, e denunciou uma “manipulação”. “Os nomes e as fotografias publicados na imprensa não nos dizem nada”, disse a porta-voz do Ministério russo das Relações Exteriores, Maria Zakharova, citada pela agência de notícias pública TASS.

Leia mais  Chile endurece sanções contra quem descumprir quarentena

Ela acusou o Reino Unido de “manipular informação” e disse que não pedirá a extradição de Petrov e de Boshirov, já que a Rússia deixou claro, em outras ocasiões, que não extradita seus cidadãos. Em 2007, Moscou se negou a extraditar Andrei Lugovoi, principal suspeito do assassinato por envenenamento radioativo do ex-espião russo Alexander Litvinenko, em Londres.

Skripal e sua filha foram envenenados com Novichok, no início de março em Salisbury, uma tentativa de assassinato que deflagrou uma grave crise diplomática entre a Rússia e os países ocidentais, a qual deu lugar a expulsões cruzadas de diplomatas. Hospitalizados em estado crítico, Serguei e Yulia Skripal conseguiram sobreviver após permanecerem várias semanas em tratamento intensivo em um hospital.

Em 30 de junho, um casal de britânicos foi envenenado, após terem contato com o Novichok que estava em um frasco. A mulher, Dawn Sturgess, de 44 anos, faleceu, mas seu parceiro, Charlie Rowley, sobreviveu e se encontra hospitalizado em estado “grave, mas estável”. (Anna Cuenca – AFP)

Comentários