Exterior

Iraque contabiliza mais de 100 mortos em manifestações

Uma investigação está em andamento para determinar quem está por trás do dia de maior violência em Bagdá
Porta-voz do Ministério do Interior do Iraque afirmou neste domingo (6) que 104 pessoas foram mortas em seis dias de protestos. Crédito da foto: Reprodução

Sete manifestantes foram mortos neste domingo (6) em protestos contra o governo na capital do Iraque, Bagdá, nas mais recentes mortes em seis dias de confrontos que já deixaram mais de 100 mortos e milhares de feridos.

O governo iraquiano intensificou os esforços para conter a exaltação popular que abalou Bagdá e várias cidades do sul do país desde a última terça-feira. Forças de segurança têm repreendido os comícios espontâneos de manifestantes exigindo empregos, melhores serviços e o fim da corrupção endêmica no país.

Na primeira declaração oficial do governo, o porta-voz do Ministério do Interior, Saad Maan, afirmou neste domingo que 104 pessoas foram mortas em seis dias de protestos, incluindo oito membros das forças de segurança, e mais de 6 mil ficaram feridas.

Leia mais  Venezuela nega responsabilidade por petróleo derramado no Brasil

Segundo ele, uma investigação está em andamento para determinar quem está por trás do dia de maior violência em Bagdá, registrado na sexta-feira.

Tensões na região

Os atuais protestos são o desafio mais sério que o Iraque enfrenta dois anos após a vitória contra militantes do Estado Islâmico. A confusão chega em um momento crítico para o governo, que foi pego no meio da crescente tensão entre EUA e Irã na região. O Iraque é aliado dos dois países e anfitrião de milhares de tropas americanas, bem como poderosas forças paramilitares aliadas ao Irã.

O líder espiritual xiita mais antigo do Iraque, o Aiatolá Ali al-Sistani, instou os manifestantes e as forças de segurança a acabarem com a violência enquanto o primeiro ministro do país pediu aos manifestantes que voltassem para casa.

O primeiro ministro Adel Abdul-Mahdi também prometeu se reunir com os manifestantes onde quer que estejam, sem as forças armadas, para ouvir suas demandas. Abdul-Mahdi defendeu as forças de segurança, dizendo que estavam realizando seu dever e usaria a força apenas em casos extremos. “Não podemos aceitar a continuação da situação como esta”, disse.

Leia mais  Voo sem escalas mais longo da história chega a Sydney

Prédios queimados

O porta-voz do Ministério do Interior afirmou que os manifestantes queimaram 51 prédios públicos e oito sedes de partidos políticos. Segundo ele, as forças de segurança não confrontaram os manifestantes, mas “mãos maliciosas” estariam por trás de alvejar tanto manifestantes quanto membros da segurança. A declaração contradiz relatos de manifestantes e jornalistas, que disseram ter testemunhado forças de segurança disparando contra manifestantes. Alguns manifestantes afirmaram que atiradores também participaram do confronto. Maan disse a maioria dos mortos na sexta-feira foi atingida na cabeça e no coração. (Estadão Conteúdo)

Comentários

CLASSICRUZEIRO