fbpx
Exterior

Greta Thunberg rejeita prêmio ambiental

Ativista diz que clima não precisa de mais prêmios e sim de lideres
Greta também não aceitou o valor que é entregue aos homenageados: quase 47 mil euros. Crédito da foto: Stephanie Keith/Getty Images/AFP (23/09/19)

A ativista sueca Greta Thunberg rejeitou hoje (30) o prêmio ambiental do Conselho Nórdico, argumentando que o movimento precisa que os políticos e as pessoas com poder ouçam a ciência.

“Agradeço ao Conselho Nórdico por esta distinção. É uma grande honra. Mas o movimento pelo clima não precisa de mais prêmios. O que precisamos é que os líderes e os políticos ouçam a melhor ciência disponível”, afirmou numa mensagem publicada nas redes sociais.

A adolescente sueca de 16 anos foi distinguida numa cerimônia em Estocolmo do Conselho Nórdico, uma instituição regional para a cooperação interparlamentar. Escolheram Thunberg por dar “nova vida” ao debate sobre o meio ambiente e o clima e inspirar milhões de pessoas a exigir ações concretas dos governos.

Na cerimônia, uma representante de Thunberg anunciou que a ativista não iria aceitar o prêmio, nem o valor que é entregue aos homenageados: quase 47 mil euros.

Leia mais  EUA: clima deve ser tema de debate em campanha eleitoral

Nas redes sociais, a jovem explicou as razões, acompanhadas de críticas. “Os países nórdicos têm grande reputação em todo o mundo quando se trata de questões climáticas.  Não há falta de palavras bonitas. Mas quando falamos das nossas emissões reais e a nossa pegada ecológica per capita (…) é uma história totalmente diferente”.

“Na Suécia, vivemos como se houvesse quatro planetas, de acordo com a WWF e a Global Footprint Network. E quase o mesmo se aplica a toda a região nórdica”, alerta Thunberg. “O fosso entre o que a ciência exige (…) e a política que governa os países nórdicos é gigante”, reforçou. (Agência Brasil)

Comentários

CLASSICRUZEIRO