Exterior

Fatos sobre morte de jornalista saudita podem nunca ser conhecidos, diz Trump

Na sexta (16), autoridades ligadas à CIA disseram que a morte de Khashoggi não poderia ter acontecido sem envolvimento do príncipe Mohammed bin Salman
Trump tem evitado culpar o príncipe herdeiro desde que a morte de Khashoggi veio à tona. Crédito da foto: AFP / Brendan Smialowski

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira que os fatos envolvendo o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi podem nunca ser conhecidos. Na última sexta-feira (16), autoridades ligadas à Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) disseram que a morte de Khashoggi não poderia ter acontecido sem o envolvimento do príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.

“Nossas agências de inteligência continuam a avaliar todas as informações, mas pode muito bem ser que o príncipe tivesse conhecimento desse evento trágico – talvez sim, talvez não!”, afirmou o presidente americano em nota publicada pela Casa Branca.

Trump tem evitado culpar o príncipe herdeiro desde que a morte de Khashoggi veio à tona. A Arábia Saudita é aliada dos americanos na luta contra o Irã e, segundo Trump, os EUA “pretendem continuar como parceiros firmes para garantir os interesses do nosso país, de Israel e de todos os outros aliados na região”.

Leia mais  Nações ricas têm 1 bilhão de vacinas a mais do que o necessário, diz ONG

No sábado (17), o Departamento de Estado negou que as agências tenham chegado a uma conclusão que ligasse o príncipe ao assassinato de Khashoggi, reforçando que há “várias perguntas sem resposta”.

Khashoggi era colunista do jornal The Washington Post e foi assassinado no dia 2 de outubro dentro do consulado saudita em Istambul, na Turquia. Seu corpo teria sido esquartejado e o destino dos restos mortais é desconhecido. Autoridades turcas dizem ter provas de que o jornalista foi morto por agentes sauditas, os quais teriam seguido ordens superiores. (Estadão Conteúdo)

Comentários
Assuntos