Exterior

Eclipse total da Lua em 20 janeiro será o último até 2021

Em alguns lugares, o fenômeno só poderá ser visto no dia 21
O eclipse, o último até 2021, será total por uma hora. Crédito da foto: Robyn Beck/ AFP

Os habitantes das Américas, de grande parte da Europa e da África ocidental poderão observar um eclipse total da lua em 20 ou 21 de janeiro, dependendo da localização, que será o último do tipo até 2021. Para a América do Norte e do Sul, o eclipse total ocorrerá no início da noite do dia 20 ou início da manhã, enquanto na Europa e na África será visto pouco antes do nascer do sol no dia 21. Mais a leste do planeta, o fenômeno será pouco visível porque será mais dia.

A lua cheia estará na sombra da Terra entre às 03h34 e às 06h51 GMT (01h34 e 04h51 no horário de Brasília). Durante a primeira hora, ela será lentamente “comida” pelo lado esquerdo. O eclipse será total por uma hora a partir das 04h41 GMT (02h41 de Brasília), de acordo com os horários fornecidos pela NASA. A fase total do eclipse será três quartos de hora mais curta que a do grande eclipse de julho de 2018, que continuará a ser o mais longo do século XXI.

Leia mais  China torna realidade primeiro pouso na face oculta da Lua, anuncia imprensa

 

Durante o eclipse total, o satélite natural da Terra não será completamente invisível, mas aparecerá vermelho. Isso ocorre porque os raios do sol não o alcançarão diretamente e, em vez disso, uma pequena parte dos raios vermelhos se filtrará através da atmosfera da Terra e se refratará sobre a lua.

“É a última chance, por um bom tempo, de ver um eclipse total da lua”, disse à AFP Bruce Betts, cientista da Planetary Society, uma organização americana de astronomia. O próximo eclipse total será em maio de 2021. Outros parciais ocorrerão antes. Os eclipses totais da lua podem ocorrer duas ou três vezes por ano. Acontecem quando a Terra fica posicionada exatamente entre o sol e a lua. É necessário que o céu esteja claro para observar o fenômeno. Muitas vezes as nuvens estragam o show.

Leia mais  Primeiro coletor de amostras de asteroides da Nasa chega ao seu destino

 

Os fãs da astronomia poderão comparar as pequenas variações do tom vermelho da lua neste momento. “Tudo depende do que está na atmosfera”, diz Bruce Betts. “Assim como os pores-do-sol mudam de cor de um dia para o outro, os eclipses variam de acordo com as partículas na atmosfera, ou se há uma erupção vulcânica, por exemplo”. Nenhum telescópio é necessário para aproveitar o eclipse. Para ver as crateras da lua, o planetólogo lembra que um simples par de binóculos pode ser suficiente. (AFP)

Comentários

CLASSICRUZEIRO