Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Chefe de polícia de Minneapolis toma posição no julgamento de morte de Floyd

05 de Abril de 2021

Crédito da foto: Justin Tallis / AFP (7/6/2020)

Em um evento excepcional no processo contra um policial dos Estados Unidos, o chefe das autoridades policiais de Minneapolis testemunhou nesta segunda-feira (5) contra o agente Derek Chauvin, julgado pela morte do afro-americano George Floyd.

Fardado, Medaria Arradondo, um homem negro de 54 anos que há três anos comanda a polícia nesta cidade do norte do país, tem falado da importância de tratar a população "com compaixão" e "com dignidade". Ele foi convocado pela acusação para o julgamento extraordinário, após uma primeira semana de depoimentos, em sua maioria comoventes, que cativaram o público dos Estados Unidos.

Em junho, Arradondo apresentou uma acusação contra Chauvin e seus colegas. "A trágica morte de George Floyd não foi por problema de treinamento (...). Os policiais sabiam o que estava acontecendo, um deles causou intencionalmente, os outros falharam na prevenção, foi um assassinato", escreveu ele em um comunicado.

No país, os policiais que usam força excessiva raramente são demitidos por seus superiores e, pelo contrário, se beneficiam de acordos coletivos, negociados pelo sindicato, que são muito protetores. Além disso, raramente são processados e menos frequentemente considerados culpados.

Em 25 de maio, em Minneapolis, os quatro policiais que queriam prender Floyd, suspeito de tentar fazer um pagamento com uma nota falsa de US$ 20, o algemaram e o imobilizaram no chão. Chauvin então se ajoelhou sob seu pescoço por quase nove minutos.

Este homem branco de 45 anos, libertado sob fiança, está sendo julgado há uma semana por homicídio. O julgamento de seus três ex-colegas, acusados de serem cumplicidade na morte, está marcado para agosto.

Chauvin se declarou inocente e afirma, por um lado, ter seguido um procedimento de acordo com seu treinamento para controlar um suspeito que oferece resistência; de outro, diz que não causou a morte de Floyd, que, segundo ele, morreu de overdose. Sua primeira linha de defesa já foi enfraquecida na semana passada por dois ex-superiores, um dos quais considerou "absolutamente desnecessária" ou "injustificada" a força "mortal" usada para controlar Floyd.

Asfixia

O outro argumento baseia-se na presença de fentanil, um opioide poderoso, e metanfetamina, descobertos durante a autópsia de Floyd, que identifica a "compressão do pescoço" como a causa da morte.

Antecipando-se ao debate entre os especialistas, a promotoria chamou na manhã desta segunda-feira o médico de emergência que, após meia hora de esforços para reviver Floyd, o declarou morto.

Bradford Langenfeld estimou que, com base nas evidências disponíveis, ele pensou que "falta de oxigênio" ou "asfixia" era "a causa mais provável de morte". O advogado de Chauvin, Eric Nelson, lhe perguntou se o uso de drogas poderia causar privação de oxigênio. "Sim", respondeu o médico. Nelson então se voltou para questões técnicas sobre os efeitos do fentanil, que dificultam a respiração.

Na segunda-feira passada, Courteney Ross, uma mulher branca de 45 anos que teve uma relação intima com Floyd de 2017 até sua morte, falou sobre o vício comum dele em opiáceos e também foi submetida a um intenso interrogatório.

O julgamento durará mais duas ou três semanas. Os membros do júri darão seu veredicto no final de abril ou início de maio. Se não for unânime, o julgamento será declarado nulo e sem efeito e o processo deverá recomeçar. Tal hipótese levanta fortes temores em Minneapolis, onde intensos protestos eclodiram após a morte de Floyd. (AFP)