Exterior

Austrália força pagamento por conteúdo

Austrália força pagamento por conteúdo
Crédito da foto: Divulgação

Facebook e Google terão de pagar os meios de comunicação da Austrália para utilizar seu conteúdo, segundo uma nova legislação aprovada ontem (25) no país. A medida é acompanhada ao redor do mundo em um contexto de batalha pela sobrevivência da imprensa tradicional.

A lei foi aprovada depois que Facebook e Google chegaram a acordos para evitar serem submetidos a arbitragens vinculantes e abre caminho para que os dois gigantes digitais invistam dezenas de milhões de dólares em acordos de conteúdo local.

Esta legislação poderia servir de modelo para resolver conflitos entre gigantes da tecnologia e reguladores globais, com o objetivo de equilibrar as relações entre a mídia tradicional — em dificuldades financeiras — e os grupos que dominam a Internet e captam grande parte da receita de publicidade.

O governo afirmou que a lei garantirá que os meios de comunicação “recebam uma remuneração justa pelo conteúdo que geram, ajudando assim a manter o jornalismo de interesse público na Austrália”.

O Google já havia aceitado pagar “quantias consideráveis” em troca do conteúdo do grupo de imprensa de Rupert Murdoch, News Corp., favorável à nova lei.

Leia mais  Pandemia de covid-19 "está longe de terminar", diz chefe da OMS

Tendendo a recusar o pagamento, o Facebook enfrentou as autoridades australianas, em um primeiro momento, e bloqueou durante algum tempo a publicação de links para notícias de meios de comunicação locais e internacionais.

A empresa que é proprietária do Instagram e do WhatsApp acabou recuando, com um acordo de último minuto com as autoridades.

O mundo inteiro acompanha de perto a iniciativa australiana. Se Google e Facebook parecem ter alcançado uma solução neste país, isto não significa o fim de seus problemas. União Europeia (UE), Canadá e outros países também pretendem regular o setor. (AFP)

Comentários