Exterior

Ataque a tiros na Alemanha foi transmitido ao vivo na internet por 35 minutos

O alvo foi uma sinagoga na cidade alemã de Halle
Ataque a tiros na Alemanha foi transmitido ao vivo na internet por 35 minutos
Homem acende uma vela durante vigília em Halle, na Alemanha. Crédito da foto: Swen Pförtner / DPA / AFP (9/10/2019)

O autor do ataque a tiros desta quarta-feira (9) contra uma sinagoga na cidade alemã de Halle, que deixou dois mortos, transmitiu a ação por cerca de 35 minutos através do Twitch. A informação é dos representantes da plataforma de streaming de vídeo.

De acordo com o Twittch, a transmissão ao vivo foi acompanhada por cinco internautas. Em seguida, o vídeo publicado foi acessado por 2.200 usuários do serviço, antes de a empresa eliminar esse conteúdo de sua rede, especializada em jogos de vídeo.

Duas mortes

Duas pessoas morreram e outras duas se encontram em estado grave após um ataque realizado por um homem armado. Ele tentou invadir uma sinagoga na cidade alemã de Halle (leste).

A ação foi gravada em vídeos pelo agressor. Supostamente, trata-se de um radical de extrema-direita, que foi preso.

A ação do criminoso, que levava armas de grosso calibre, vestindo trajes militares e com uma câmera acoplada em um capacete, lembrou a realizada no ataque a duas mesquitas em Christchurch, Nova Zelândia, em março passado.

O balanço da agressão poderia ter tido sido mais trágico, pois o agressor não conseguiu entrar na sinagoga da cidade onde era celebrado o Yom Kippur, o dia do perdão, uma das principais festas judaicas.

No interior do templo, que não foi invadido porque as portas resistiram aos disparos do homem, havia cerca de 80 pessoas, informou o presidente da comunidade judaica de Halle, Max Privorotzki. “Pelo que sabemos (…) é um ataque antissemita”, declarou o ministro alemão do Interior, Horst Seehofer. “Segundo a procuradoria federal, há indícios de uma possível motivação de extrema-direita”, acrescentou.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, classificou o crime de atentado e à noite foi a uma sinagoga em Berlim para expressar sua solidariedade à comunidade judaica alemã. O autor da agressão foi ferido e detido, anunciou um porta-voz da polícia.

Ataque transmitido ao vivo

No início da tarde (horário local), um homem chegou ao bairro de Paulus de Halle (175 quilômetros a sudoeste de Berlim) a bordo de um carro. Com uma câmera conectada ao capacete que usava, ele iniciou uma transmissão ao vivo em vídeo para um site e caminhou em direção à sinagoga fazendo um discurso contra os judeus.

“Vimos através da câmera de segurança da nossa sinagoga que um agressor muito bem armado, com um capacete e um fuzil, tentava abrir nossas portas”, explicou Max Privorotzki. Em seguida, ele colocou uma bomba no local, mas ela aparentemente não funcionou.

Após não conseguir entrar, ele se afastou do local andando e matou uma mulher que cruzou seu caminho. Em seguida, abriu fogo contra um restaurante turco, segundo testemunhas.

A polícia decretou estado de alerta e solicitou aos moradores que não saíssem de casa. A câmera acoplada no capacete do atirador transmitia imagens ao vivo da ação através da plataforma de streaming Twitch, especializada em jogos eletrônicos. “Retiramos esse conteúdo o mais rápido possível e suspendemos todas as contas que publicaram ou republicaram as imagens desse ato abominável”, disse uma porta-voz da Twitch à AFP, sem especificar quanto tempo esse material ficou disponível na internet.

“Ele jogou uma granada que explodiu na porta do restaurante”, disse Conrad Rossler, uma testemunha que estava dentro do estabelecimento, à rede de televisão NTV. “O homem então disparou pelo menos uma vez dentro do local. O homem atrás de mim deve ter morrido. Eu me escondi no banheiro e fechei a porta”, disse, chocado.

Em um vídeo filmado por uma testemunha, o agressor, aparentemente calmo, abre fogo com uma arma de cano longo semiautomática na rua. Logo em seguida, começa um troca de tiros com forças de segurança que chegam ao local. O atirador parece ter sido ferido e depois entra no seu carro e foge.

Medo da violência de extrema-direita

Este ataque ocorreu alguns meses após o assassinato, em Hesse, de Walter Lubcke, vereador local do partido conservador da chanceler alemã Angela Merkel (CDU). O principal suspeito é um membro dos movimentos nazistas. Este crime gerou uma onda de choque na Alemanha, onde a extrema-direita contrária aos imigrantes não para de crescer nas eleições.

A ação despertou o temor do retorno de atos de terrorismo de extrema-direita, como os realizados pelo grupo neonazista NSU, responsável pela morte de uma dezena de imigrantes na Alemanha entre 2000 e 2007.

Além dos crimes cometidos pelo NSU, ocorreram outras ações, como o ataque à faca contra a prefeita de Colonia, Henriette Reker, em 2015, e, dois anos depois, contra o prefeito de Altena, Andreas Hollpein. (AFP)

Leia mais  Nobel de Física 2019 vai para pesquisas que ajudam a entender o Universo
Comentários

CLASSICRUZEIRO