Esporte

São Paulo vence e se mantém no topo do Brasileiro

O resultado mantém o time paulista na liderança da competição, agora com 45 pontos
Bruno Peres, do São Paulo, comemora gol em partida contra a equipe do Ceará, pelo Campeonato Brasileiro.
Crédito da foto: Ale Cabral/Agif/Folhapress

Numa manhã fria e nublada de domingo (26), mais de 57 mil torcedores encheram o estádio do Morumbi para acompanhar a vitória do São Paulo sobre o Ceará por 1 a 0 pelo Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Bruno Peres, aos 32 minutos do segundo tempo. O resultado mantém o time paulista na liderança da competição, agora com 45 pontos, sem chances de ser alcançado pelo Internacional, segundo colocado com 41 e que enfrenta o Palmeiras às 16h, no Beira-Rio.

O São Paulo volta a campo pelo Nacional no próximo domingo (2), quando enfrenta o Fluminense, em casa. A torcida são-paulina, empolgada com o desempenho do time, esgotou os ingressos colocados à venda para a partida, segundo o clube. O público foi de 57.323 mil pessoas. Cadeiras vazias só no espaço destinado à torcida do Ceará. Vindo de um empate em 1 a 1 com o lanterna Paraná na última quarta-feira (22), o time do técnico Diego Aguirre tinha em casa a oportunidade de fazer mais três pontos e impedir que o vice-líder Internacional pudesse ameaçar sua liderança na competição.

Leia mais  Sem divulgar nomes, Fortaleza confirma 12 casos de covid-19

O adversário deste domingo era outra equipe da zona de rebaixamento. E isso acabou sendo uma dificuldade para o São Paulo na rodada anterior, quando teve um rival que jogou fechado, explorando os contra-ataques. Nada muito diferente do que encontraria pela frente nesta manhã. O time adversário veio até o Morumbi claramente para se defender. Se a maneira de jogar do São Paulo lembra à do Corinthians campeão brasileiro com Fábio Carille no ano passado, de não ter tanta posse de bola e ser cirúrgico quando vai ao ataque, a equipe tricolor encontrou uma dificuldade para enfrentar um adversário que veio basicamente para se defender. Isso também aconteceu com o time do Parque São Jorge que perdeu, em casa, jogos para Vitória e Atlético-GO na edição de 2017.

Não dá para negar que o São Paulo foi superior e que praticamente não foi ameaçado, mas, assim como no empate contra o Paraná, teve dificuldade para traduzir domínio em gols. O time cearense, inclusive, ofereceu bem menos perigo que o adversário da última rodada, que procurou atacar a equipe tricolor quando teve chance. Quando tinha a bola, o time preferia tocar de lado, sem pressa, quando não abusava da cera para repor a bola em jogo ou cobrar faltas e escanteios. Toda essa demora deixou os torcedores são-paulinos impacientes. As arquibancadas do Morumbi durante o segundo tempo já não reproduziam a empolgação de antes da partida e dos minutos iniciais de jogo.

Numa das raras chances que teve para contra-atacar, o São Paulo foi perigoso e só não abriu o placar após arrancada de Éverton porque o lateral esquerdo Reinaldo errou a passada e foi travado antes de concluir para o gol, aos 13 min do segundo tempo. Nesse tipo de jogada aparece a importância de Éverton. Ele é a principal válvula de escape do time quando vai ao ataque em velocidade. Em outro contragolpe, o jogador levou a bola até a área, cortou o zagueiro, mas a ação ofensiva foi bloqueada pela defesa.

Leia mais  Com lesão na virilha, Gómez inicia tratamento no Palmeiras para jogar final

Éverton ainda foi substituído após sentir uma lesão muscular. Ele será desfalque da equipe contra o Fluminense, assim como o meia Nenê, por ter levado o terceiro cartão amarelo. O gol do time tricolor saiu aos 32 minutos da segunda etapa, após grande jogada de Reinaldo, que passou por três adversários e tocou para Diego Souza ajeitar para o lateral Bruno Peres finalizar. O Ceará ainda teve o atacante Leandro Carvalho expulso por reclamação e ouviu gritos de olé da torcida adversária ecoarem pelas arquibancadas. Alberto Nogueira (Folhapress)

SÃO PAULO
Sidão; Bruno Peres, Anderson Martins, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Luan (Shaylon) e Nenê; Joao Rojas, Diego Souza e Everton (Régis).
T.: Diego Aguirre

CEARÁ
Everson; Tiago Alves e Luiz Otávio; Fabinho, Edinho, Richardson e João Lucas; Ricardinho (Reina) e Calyson; Leandro Carvalho e Arthur.
T.: Lisca

Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Alessandro Rocha Matos (BA)
Público: 57.323 pessoas
Renda: R$ 2.666.528,50
Cartões amarelos: Everton, Nenê e Jucilei (SPO); Ricardinho, Edinho, Everson, Arthur e Reina (CEA)
Cartão vermelho: Leandro Carvalho (CEA)
Gol: Bruno Peres, aos 32 min do segundo tempo

Comentários