São Bento

Ídolos apoiam, mas cobram, o atual elenco do São Bento

Ex-jogadores Ademir de Barros, o Paraná, e Tiberany Ferraz dos Santos, o Biter, acreditam em fuga da queda na Série B
Ídolos apoiam, mas cobram, o atual elenco do São Bento
Paraná e Biter: “O São Bento pode escapar da queda”. Crédito da foto: Fábio Rogério (3/9/2019)

Rebaixado no Paulistão e frequentando a zona do rebaixamento do Brasileiro da Série B, o São Bento vive em 2019 uma temporada antagônica ao seu passado de glórias.

Para quem viveu a primeira grande conquista do Azulão — o acesso à elite do futebol paulista pela primeira vez, em 1963 –, o momento é de um voto de apoio ao elenco e comissão técnica. Mas sem deixar de cobrar melhores resultados e, consequentemente, a manutenção da equipe entre os 40 melhores do País.

Leia mais  São Bento trabalha duro no primeiro treino aberto de Milton Mendes

 

Apesar da penúltima colocação do São Bento na tabela da Série B, com 19 pontos, os ex-jogadores Ademir de Barros, o Paraná, de 77 anos, e Tiberany Ferraz dos Santos, o Biter, de 80, que participaram da conquista do título da 1ª Divisão (equivalente a atual Série A2) em 1962, vêem a situação com esperança.

A distância para o primeiro time fora do Z4, o Figueirense, é de dois pontos — e pode ser revertida no confronto entre os dois na sexta-feira (6), , às 18h45, no Walter Ribeiro (CIC).

“Se houver vontade em campo, o São Bento escapa”, garante Paraná. Ex-ponta-esquerda, ele chegou ao São Paulo e à seleção brasileira e tornou-se um dos maiores nomes do futebol em seu tempo. Tempo, conforme o próprio, de times que “não tinham medo de sair jogando para frente e de fazer o resultado”.

É algo que Tiberany, ex-zagueiro, também sente falta de ver em campo. “Hoje são times de laterais recuando, de zagueiros jogando para a lateral. O futebol mudou”, constata.

Para os dois ex-atletas, é importante que o elenco atual tenha a consciência do valor da camisa que defende. “O São Bento tem uma história que precisa ser honrada e um compromisso moral com a cidade e com o seu povo. Queremos dizer aos atletas que honrem essa tradição”, observa Tiberany.

Paraná, por sua vez, relembra que as coisas eram mais difíceis na sua época. “Nós fomos para a final contra o América com três meses de salários atrasados. E fomos para a guerra, conquistando o título.”

Paraná e Biter também atribuem à torcida do São Bento uma parcela importante na luta contra o rebaixamento e pedem o apoio do são-bentista.

“A torcida precisa ajudar. Todos os times menores estão nivelados e a vontade em campo pode fazer a diferença. Perder faz parte do show, não adianta nada xingar antes do jogo”, conclui Tiberany. (Eric Mantuan)

Comentários

CLASSICRUZEIRO