Buscar no Cruzeiro

Buscar

Copa Libertadores

Conmebol divulga áudio do VAR no gol de empate do Palmeiras

30 de Setembro de 2021 às 00:01
Da Redação com Estadão Conteúdo [email protected]
Única recomendação foi de amarelo a Deyverson por invasão.
Única recomendação foi de amarelo a Deyverson por invasão. (Crédito: REPRODUÇÃO / CONMEBOL)

Desde o empate entre Atlético-MG x Palmeiras, pela Libertadores, anteontem (28), no Mineirão, a polêmica invasão de campo de Deyverson virou assunto. A Conmebol divulgou ontem (29) o áudio do VAR na hora do lance, que confirmou o gol legal. A revisão do árbitro de vídeo não viu irregularidades e somente sugeriu cartão amarelo para o atacante palmeirense que aquecia na lateral do campo e entrou no gramado para comemorar.

“Pode advertir o jogador que está aquecendo, que comemorou o gol”, diz um dos assistentes após flagrar a invasão. O VAR pergunta quem foi e ao ouvir que é o 9 do Palmeiras avaliza o lance e depois confirma o gol. “Gol legal, Wilmar (Roldan, árbitro colombiano)”, foi a conclusão do lance.

O VAR ainda avaliou toda a jogada. No lançamento, o assistente disse que Gabriel Veron estava em condições. Já o VAR diz que é “possível fora de jogo”. A análise garante a posição normal e Wilmar Roldan diz que vai confirmar o gol.

Há, ainda, discussão sobre um possível toque de mão de Dudu antes de concluir para a meta e o VAR define: “pegou no joelho. Vamos avançar e ver como (Dudu) fez o gol.” Nada de anormal é visto. “Gol legal”. O VAR ainda revisa possível falta em Nathan Silva e o lance é declarado limpo. Neste momento, Roldan recebe a recomendação para dar amarelo para Deyverson após invasão de campo. E nada mais.

Confiante que não fez nada errado, Deyverson ironizou nas redes sociais. “Falem o que quiser. Estamos na final. Querem procurar algo para não falarem da nossa conquista né!?”, postou.

‘Xiu’

O técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, dedicou a classificação a um “vizinho chato”. “Quando apontei pra câmera, não foi pra nenhum jogador ou o treinador do Atlético-MG. (...) Foi diretamente ao meu vizinho, porque quem manda na minha casa sou eu. Está calado! Quem trabalha dentro do CT sou eu e meus jogadores. Defendo meus jogadores porque são meus nas vitórias e derrotas. Ao meu vizinho, xiu”, esbravejou, depois do jogo no Mineirão. (Da Redação, com Estadão Conteúdo)