Buscar no Cruzeiro

Buscar

Denúncias

Depoimento de Caboclo por caso de assédio sexual é aprovado na Câmara

A denúncia causou uma grave crise na CBF com ecos inclusive no futebol da Seleção; ele está temporariamente fora do cargo desde junho

08 de Julho de 2021 às 15:44
Estadão Conteúdo
Rogério Caboclo.
Caboclo está afastado desde junho por conta das denúncias (Crédito: REPRODUÇÃO / INSTAGRAM)

A Câmara dos Deputados vai convocar o presidente da CBF, Rogério Caboclo, para prestar depoimento. Envolvido em denúncias de assédio a uma funcionária, ele foi afastado das suas funções na entidade. A ida do dirigente não tem data marcada. Os parlamentares Isnaldo Bulhões Júnior (MDB-AL), Celina Leão (PP-DF) e Tereza Nelma (PSDB-AL) assinaram o pedido que visa pedir esclarecimentos aos fatos que foram relatados na sede da Confederação Brasileira de Futebol.

A denúncia de assédio causou uma grave crise na entidade com ecos inclusive no futebol da seleção brasileira. Caboclo foi removido temporariamente do cargo no início de junho.

A diretoria da CBF prorrogou o afastamento de Caboclo da presidência por até 60 dias. A medida foi tomada em caráter de emergência. O prazo foi dado para dar tempo suficiente para que a comissão de ética do futebol brasileiro analise o processo no qual o dirigente é denunciado por assédio moral e sexual contra uma funcionária.

A defesa do dirigente voltou a dizer que Caboclo não cometeu "nenhum tipo de assédio" e afirmou que o presidente afastado da CBF é vítima de um procedimento absolutamente viciado em que tem como base provas ilícitas, depoimentos de testemunhas evidentemente interessadas em um desfecho negativo para o acusado e fundamentação jurídica esdrúxula".

Em meio a essa ação judicial, a diretoria da CBF espera que a sentença da comissão de ética em relação a Caboclo seja recomendando a saída dele definitiva do cargo. O dirigente, no entanto, trabalha na tentativa de angariar apoio para voltar ao poder.

O ambiente tenso demonstra ainda uma briga política onde Caboclo acusa o ex-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, de arquitetar um plano para tirá-lo do circuito e retomar o poder.