Buscar no Cruzeiro

Buscar

Olimpíada de Tóquio

Público na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos será reduzido

Apenas número limitado de VIPs terão a oportunidade de acompanhar o início da Olimpíada

06 de Julho de 2021 às 14:36
Estadão Conteúdo
Aumento dos casos de Covid motivam decisão do Comitê. Crédito da foto: Arquivo / Agência Brasil
Estimativa inicial era que o Estádio Nacional acomodasse 10 mil pessoas, mas público será reduzido bruscamente (Crédito: Aumento dos casos de Covid motivam decisão do Comitê. Crédito da foto: Arquivo / Agência Brasil )

Forçados pela pandemia do novo coronavírus, os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 vão restringir o número de pessoas presentes na cerimônia de abertura. Apenas um número limitado de VIPs, que inclui patrocinadores, diplomatas e convidados especiais, terão a oportunidade de acompanhar o início da Olimpíada no próximo dia 23. A estimativa inicial era que o estádio Nacional acomodasse 10 mil pessoas, mas o público será reduzido bruscamente.

As competições que acontecem depois das 21 horas (horário do Japão) ou em grandes locais também serão afetadas. Estas não terão espectadores para que não haja aglomerações na capital depois do fim dos eventos. Além de ter determinado um limite de 10 mil pessoas por local, residentes no Japão, o Comitê Organizador baniu estrangeiros de prestigiarem as competições.

Porém, há uma boa probabilidade desse limite ser diminuído por causa das medidas de emergências parciais vigentes em Tóquio. Os casos continuam subindo na capital e não há previsão de flexibilização das restrições. Já foi feito um pedido para que as pessoas não acompanhem nas ruas as provas de maratona e marcha atlética.

No país, apenas 13,8% da população está totalmente vacinada contra a covid-19. Por isso, especialistas médicos e os próprios japoneses se opuseram à realização da Olimpíada, tendo em vista que o evento causa a chegada de uma enorme quantidade de atletas, técnicos, funcionários e jornalistas. Apesar disso, os organizadores e Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiram seguir em frente.

Nesta quinta-feira, o primeiro-ministro Yoshihide Suga deve estender o estado de emergência parcial para além de 11 de julho. No mesmo dia, o presidente do COI, o alemão Thomas Bach, encontrará o governo japonês e oficiais olímpicos para discutir a questão do limite de público. "Nós devemos ficar em alerta máximo", disse Suga. O primeiro-ministro adicionou que "não ter espectadores é uma possibilidade".

Após se saírem mal na Assembleia Metropolitana de Tóquio, realizada no último domingo, membros do Partido Democrático Liberal, ao qual Suga é afiliado, estariam inclinados a aceitar a proibição. As decisões do governo durante a pandemia irritaram a população, que votou contra o partido, causando parcialmente a sua derrota. "Não é que nós estamos determinados a ter espectadores independentemente da situação", disse Seiko Hashimoto, presidente do Comitê Organizador de Tóquio-2020.

O revezamento da tocha olímpica, símbolo do evento, já precisou ser retirado da cidade. Prevista para chegar à capital nesta sexta-feira, onde ocorreriam caminhadas do próximo dia 17 até a cerimônia de abertura, a tradição foi excluída das ruas e foi substituída com iluminações da tocha privadas do público. Ações restritivas semelhantes aconteceram em Hokkaido e Suzuki, tudo para evitar a propagação da covid-19, que já vitimou quase 15 mil pessoas no Japão.