Buscar no Cruzeiro

Buscar

Seleção Brasileira

Rogério Caboclo comprou jato para a CBF no dia em que foi denunciado

Valor de US$ 14 milhões foi pago à vista e não foi discutido com o restante da diretoria

11 de Junho de 2021 às 16:15
Estadão Conteúdo
Rogério Caboclo.
Rogério Caboclo, presidente afastado da CBF, adquiriu jatinho na última sexta (Crédito: LUCAS FIGUEIREDO / CBF)

Afastado de suas funções desde o domingo passado por decisão do Comitê de Ética da CBF, o presidente da entidade, Rogério Caboclo, teve como um de seus últimos atos a aquisição de um jato por US$ 14 milhões (R$ 71,74 milhões na cotação atual). Detalhe: a compra do avião foi realizada com pagamento à vista e finalizada na última sexta-feira, justamente no dia em que uma funcionária da CBF formalizou denúncia de assédio contra ele.

A informação foi publicada inicialmente pelo UOL e confirmada pelo Estadão. A intenção de Caboclo era de que o avião, um Legacy de 16 lugares, ficasse a serviço da CBF. A questão é que a entidade já possui um jato particular (um Citation, de 12 lugares) que é basicamente utilizado para deslocamentos da cúpula da entidade - em especial, de Rogério Caboclo.

A compra do jato não havia sido discutida com o restante da diretoria, que tenta agora se desfazer do negócio. Nos corredores da CBF, o avião é considerado (mais) uma "herança maldita" de Caboclo. A diretoria interina da entidade tenta devolver a aeronave, mas isso é considerado muito difícil. A outra opção é revendê-la.

Eleito presidente da CBF em 2018, Rogério Caboclo assumiu o cargo máximo da entidade em abril de 2019. Ele foi afastado por 30 dias no último domingo após decisão do Comitê de Ética da entidade, que recebeu denúncia de uma funcionária por assédio moral e sexual contra o presidente na sexta-feira. Caboclo nega as acusações.