Buscar no Cruzeiro

Buscar

Esportes

Respiradores doados pela FPF para Volta Redonda dão problema e serão trocados

29 de Abril de 2021 às 16:51
Estadão Conteúdo
O jogo entre São Bento e Palmeiras foi um dos que aconteceu no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda
O jogo entre São Bento e Palmeiras foi um dos que aconteceu no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (Crédito: Cesar Greco/Palmeiras)

Os respiradores doados pela Federação Paulista de Futebol (FPF) para a cidade de Volta Redonda como contrapartida à realização de partidas do Campeonato Paulista na cidade tiveram de ser devolvidos. Segundo a Prefeitura do município, os dez equipamentos comprados e cedidos para ajudar no atendimento às vítimas da covid-19 apresentaram problemas e vão precisar ser trocados.

Em nota, a Prefeitura afirmou que o impasse será resolvido em breve. "Os equipamentos que chegaram estão em desconformidade ao padrão dos demais leitos que estão sendo montados no anexo ao Hospital do Retiro", explicou. "A Federação Paulista de Futebol concordou com o pleito e já se comprometeu a enviar novos respiradores, dentro das especificações desejadas", completou o texto.

O envio de dez respiradores e dez monitores para o tratamento de pacientes com a covid-19 foram uma doação da FPF em março para que Volta Redonda aceitasse receber dois jogos do Estadual. Na ocasião, as partidas entre Mirassol x Corinthians e São Bento x Palmeiras foram realizadas no estádio Raulino de Oliveira. Os confrontos não foram realizados no Estado de São Paulo na ocasião porque havia uma proibição para a realização de atividades esportivas.

O acordo para levar as duas partidas até Volta Redonda foi selado entre a FPF e o prefeito da cidade, Francisco Neto. O intuito da FPF era entregar os equipamentos para melhorar a estrutura existente nas UTIs do município. As partidas com as presenças de Corinthians e Palmeiras foram as únicas do Campeonato Paulista realizadas no estádio Raulino de Oliveira. Em 10 de abril, o Estadual foi retomado em São Paulo com a autorização do governo.

Procurada para comentar o assunto, a FPF não se pronunciou. A reportagem apurou que a entidade notificou extrajudicialmente a empresa fabricante dos equipamentos. Após ser informada do problema, a companhia avisou que já providenciou uma nova compra dos respiradores.