Buscar no Cruzeiro

Buscar

Paulistão

Clássico de alto risco

Com equipes mistas, Santos e Corinthians se enfrentam hoje na Vila

25 de Abril de 2021 às 00:01
Estadão Conteúdo
Holan e Mancini estão no mesmo barco: ainda não emplacaram boas sequências de atuações.
Holan e Mancini estão no mesmo barco: ainda não emplacaram boas sequências de atuações. (Crédito: REPRODUÇÃO / INTERNET)

Em crise de identidade, Corinthians e Santos entram em campo às 20h de hoje tentando se encontrar na temporada 2021. Sem emplacar boas sequências de resultados e atuações, os dois times ainda não convenceram seus torcedores neste ano e os dois treinadores -- Vagner Mancini e Ariel Holan, respectivamente -- já encaram certa insatisfação. Por isso, o clássico marcado para a Vila Belmiro, pela oitava rodada do Paulistão, é de risco para ambas as equipes, que devem jogar com escalações mistas.

O resultado da partida não definirá o futuro de nenhum treinador ou mesmo dos times na competição. O Corinthians está perto da classificação e o Santos teria ainda mais três jogos para se recuperar. Mas o clássico acontece em momento perigoso da temporada para os dois times por causa da dura sequência de jogos que têm pela frente. Uma derrota, portanto, deve gerar pesadas cobranças para qualquer um dos lados.

Peixe na berlinda

O Santos é quem apresenta situação mais delicada. Irregular tanto no Paulistão quanto na Copa Libertadores, corre risco de cair na primeira fase do Estadual. E começou a fase de grupos da competição sul-americana perdendo em casa para o modesto Barcelona, do Equador. Para piorar, a possível reação tem um duro obstáculo pela frente: o Boca Juniors. O argentino é o próximo rival santista, já na terça-feira, na temida La Bombonera.

No Estadual, a sequência também não será fácil. No sábado que vem, o oponente será o sólido Red Bull Bragantino, segundo melhor time da competição até agora. E o jogo seguinte na competição será o clássico com o Palmeiras, fora de casa, no dia 6 de maio. Com apenas duas vitórias em oito jogos, o Santos vem de derrota e é o segundo colocado do Grupo D, com nove pontos, dois atrás do líder Mirassol, que tem um jogo a menos.

Como trata a Libertadores como prioridade, o time da Vila Belmiro mais uma vez deve ir a campo com reservas, apesar da importância natural de um clássico. Como vem fazendo no Estadual, Holan pode fazer novos testes em todos os setores do time, tornando a escalação do Santos um mistério constante. E, assim, a equipe segue sem identidade na temporada. Única certeza é a baixa de Soteldo, negociado com o Toronto FC, do Canadá.

Timão incomoda

Se agrada nos resultados, o Corinthians incomoda os torcedores com as atuações abaixo do esperado. Com 18 pontos, lidera o Grupo A. Em caso de vitória no clássico, ficará muito perto de sacramentar a classificação às quartas de final. Apesar disso, a torcida não vem perdoando Mancini. No sábado, uma organizada fez protesto na porta do CT Joaquim Grava, com faixas citando o próprio treinador e o presidente Duilio Monteiro Alves. Uma delas dizia: “Clássico é guerra”.

As críticas são consequência das fracas apresentações da equipe, que não convence no Paulistão e começou mal na Copa Sul-Americana: empatou sem gols com o River Plate do Paraguai, em Assunção, na quinta-feira. O próximo rival será mais complicado. Na próxima quinta, o time paulista enfrentará o Peñarol, em casa.

Preocupado com o desgaste físico e com eventuais lesões, Mancini indicou que mandará a campo hoje uma equipe dominada por reservas. E, no clássico dos times mistos, Corinthians e Santos buscam recuperar suas identidades para fazer bonito e tranquilizar suas torcidas. (Felipe Rosa Mendes - Estadão Conteúdo)

SANTOS x CORINTHIANS

Santos - John; Pará, Kayki, Luan Peres e Felipe Jonatan; Vinícius Balieiro, Gabriel Pirani e Jean Mota; Kaio Jorge, Marinho e Lucas Braga. Técnico: Ariel Holan

Árbitro - Salim Fende Chávez

Local - Vila Belmiro, em Santos (SP)

Horário - 20h

Corinthians - Cássio; João Victor, Jemerson, Raul Gustavo e Lucas Piton; Gabriel, Cantillo (Ramiro) e Vitinho; Gustavo Mosquito, Rodrigo Varanda e Cauê. Técnico: Vagner Mancini