Esporte

Modelo que acusa Neymar de estupro depõe à Polícia em São Paulo

Após depor durante seis horas, Najila Trindade passou mal e deixou delegacia rumo a um hospital
A modelo Najila Trindade passou mal e saiu carregada da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher em São Paulo. Crédito da Foto: Nelson Almeida / AFP (7/6/2019)

A modelo Najila Trindade prestou depoimento nesta sexta-feira (7) durante quase seis horas na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, no bairro de Santo Amaro, em São Paulo. A autora de denúncia de estupro e agressão contra o jogador Neymar teve dificuldades para falar, interrompeu as respostas várias vezes e, após passar mal, deixou o local carregada e foi levada ao Hospital Cidade Dutra.

Leia mais  Corte e nova lesão encerram passagem turbulenta de Neymar pela seleção

 

Após não comparecer para depor em outras quatro ocasiões, Najila foi à delegacia pela manhã, onde chegou com quase uma hora de atraso. A modelo compareceu à delegacia por volta das 11h55, trazida por um carro da polícia e cercada de segurança. Ela desceu do veículo com o rosto coberto e foi acompanhada tanto por advogados como por testemunhas, como a empregada doméstica.

Durante o depoimento na delegacia, Najila demonstrou estar muito emocionada e, em alguns momentos, teve dificuldade para relatar o episódio. A pedido da delegada, Juliana Bussacos, na sala do depoimento estavam presentes somente mulheres, para deixar a possível vítima mais à vontade. Fora a própria modelo, presenciaram a oitiva duas delegadas e uma escrivã.

Entre as questões, Najila teve de responder se havia autorizado a divulgação de suas fotos íntimas e também se elas haviam sido enviadas para mais alguém. No decorrer da conversa, a modelo se queixou do estresse psicológico e disse estar com pressão baixa. Durante a tarde, funcionários da delegacia chegaram a comprar comida em uma padaria próxima para que Najila pudesse se alimentar.

Um dos questionamentos dos investigadores se refere ao laudo médico particular apresentado pela modelo para comprovar as agressões. O médico Luiz Eduardo Campedelli, que assina o laudo da modelo, registrou “arranhaduras, hematomas em absorção e estrias em região de ambos os glúteos”. A avaliação foi feita no dia 21 de maio, seis dias após o suposto estupro. O médico afirmou que seu laudo não continha imagens. Mas Najila apresentou fotos das escoriações juntamente com o laudo. Se for comprovada a adulteração, a modelo pode ter de responder por fraude processual.

Além de Najila, também será ouvida a profissional responsável pela limpeza do apartamento onde a modelo morava. Os investigadores questionam a funcionária sobre possível tentativa de arrombamento que teria acontecido no apartamento de Najila na noite de terça-feira. Esse teria sido o motivo que ela utilizou para não comparecer à intimação de quarta-feira.

Na hora da saída, por volta das 18h, a modelo saiu da delegacia carregada no colo pelo seu advogado, Danilo Garcia de Andrade, e não deu entrevistas. Colocada em um carro da polícia com sirene ligadas, Najila foi conduzida a um hospital público para que pudesse melhorar. O local foi escolhido pois o advogado dela tem um amigo médico que trabalha no local.

Acareação

A Polícia Civil de São Paulo considera a possibilidade de uma acareação entre Neymar e Najila Trindade com o objetivo de eliminar incongruências que existem nos depoimentos dos dois sobre o vazamento de diálogos e fotos íntimas na semana passada. O jogador divulgou mensagens privadas trocadas entre eles na tentativa de provar sua inocência da acusação de estupro, que teria sido cometido em Paris, no dia 15 de maio, de acordo com a modelo. (Gonçalo Junior – Estadão Conteúdo)

Comentários