Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Guaraná transformará haters do futebol feminino em gramado

08 de Março de 2021

Marta beija chuteira em protesto por igualdade dentro de campo, na Copa do Mundo da França, em 2019. Crédito da foto: AFP.

O futebol feminino ainda incomoda muita gente mesmo com a alta procura pela modalidade, seja por meninas que jogam ou por amantes do esporte nas transmissões. Neste Dia da Mulher (8), o Guaraná Antarctica, com o apoio dos usuários do Twitter, vai receber, via DM, comentários negativos e de ódio já publicados nas redes para imprimi-los em papel semente. A intenção é criar um novo gramado para o projeto "Meninas em Campo".

“Guaraná tem como objetivo enaltecer o futebol feminino. Com essa ação criamos mais uma oportunidade para ajudar no desenvolvimento de novos talentos. Queremos que essas garotas saibam que nos próximos treinos elas irão pisar, literalmente, nos haters e que isso possa motivá-las a seguir firme em sua jornada no esporte”, disse Julia Chieppe, gerente de marketing da marca.

A ação da patrocinadora do futebol feminino foi inspirada pelo comportamento de usuários nas redes sociais, já que ainda é muito comum ver comentários pejorativos e negativos em relação à modalidade.

Desde 2019, com o boom causado pela Copa do Mundo da França, o Brasil vem tomando diretrizes diferentes para se equiparar a outros países que valorizam o futebol de mulheres, como Estados Unidos e França. Algumas delas foram as contratações da técnica sueca Pia Sundgahe para a Seleção Brasileira e Aline Pellegrino para a coordenação de competições femininas da CBF. Uma das medidas já instaladas foi a equiparação dos salários entre as seleções masculina e feminina em relação a diárias e premiações.

Já em relação a "Meninas em Campo", o projeto, sem fins lucrativos, busca desenvolver, por meio da educação, o desenvolvimento de habilidades socioemocionais e da formação esportiva na busca pela transformação social de jovens mulheres. (Da Redação)