Educa Mais

MEC reforça pedido para inclusão dos educadores na lista de prioridade da vacina para Covid-19

Estima-se que o país tem entre 2,3 milhões e 3 milhões de professores

Profissionais da educação que lidam diretamente com o 1º e 2º ano do ensino fundamental, conseguiram após diversos apelos da categoria, ingressar na lista de prioridade de vacinação contra a Covid-19. Na tarde de ontem (16), o pedido foi reforçado pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro, durante encontro com Eduardo Pazuello.

Em trecho do documento que enfatiza a necessidade de vacinar o quanto antes estes profissionais, o ministério afirma que “considerando a relevância da retomada das aulas presenciais, com vistas à oferta do ensino de qualidade e ao ambiente de aprendizagem seguro, ressalta-se a importância da inclusão da comunidade escolar, compreendida por estudantes, profissionais da educação e colaboradores nos grupos prioritários para a vacinação contra o novo coronavírus”.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC) estima-se que o país tem entre 2,3 milhões e 3 milhões de professores. Em relação ao possível retorno às aulas, o ministro da Educação afirmou que “o governo federal planeja metas para o retorno gradual ao ensino presencial, mas que esse retorno não acontecerá a qualquer preço e, sim, com critérios e decisões que respeitem a dimensão continental do Brasil e as diferentes condições sanitárias das regiões”.

Leia mais  MEC define cronograma de inscrição para vagas remanescentes do Prouni 2021

O ministrou afirmou, ainda, que no momento não é possível firmar datas, tendo em vista a atual situação da pandemia de Covid-19, e que o assunto depende de cada situação local.

Retorno híbrido

Dados da pesquisa da ABED mostram que 68% dos estudantes preferem aguardar a vacina antes de retornar às aulas presenciais e 40% acreditam que o ensino híbrido é a melhor opção para o pós-pandemia.

Levantamento conduzido pela Fundação Lemann Dentre mostrou que como uma das alternativas para salvar o ano letivo, 92% dos pais defendem a continuidade das atividades virtuais em casa, em conjunto com as aulas presenciais (ensino híbrido).

Diante da impossibilidade de aulas presenciais, como medida de proteção contra o novo coronavírus, as aulas via internet se tornaram ferramentas aliadas para o ensino. Segundo o MEC, mais de 76 mil escolas públicas, em cerca de cinco mil municípios, receberam verbas do programa Educação Conectada para implementar projetos de educação a distância, com investimento total de aproximadamente 250 milhões de reais. Muitas escolas particulares já adotaram medidas de proteção para o retorno às aulas. A instituição Neo Gênesis Colégio e Curso, localizada em João Pessoa, é uma das que estão preparadas para receber os estudantes com toda a segurança exigida pelos protocolos de prevenção à Covid-19. “Estamos seguindo todas as recomendações ditadas pelo governo. Tomamos todos os cuidados para não haver aglomeração, cuidados com a sinalização, disponibilização de álcool em gel, modificamos o bebedouro para facilitar que os alunos bebam água em garrafinhas individuais e vamos fechar algumas áreas da escola”, diz o diretor Phelipe Ferreira.

Leia mais  Autismo: uma história de inclusão para ser contada

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Comentários