Buscar no Cruzeiro

Buscar

Supermercados registram alta de 12% nas vendas

14 de Março de 2021 às 00:01

Supermercados registram alta de 12% nas vendas Setor é essencial e estabelecimentos permaneceram abertos durante a pandemia. Crédito da foto: Tânia Rêgo / Arquivo Agência Brasil

Os supermercados registraram alta de 12% nas vendas de janeiro em comparação com o mesmo mês de 2020, segundo balanço divulgado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Para o vice-presidente administrativo da entidade, Marcio Milan, com as restrições impostas a outros setores do comércio devido à pandemia da Covid-19, os supermercados acabam suprindo as necessidades dos consumidores, o que impulsiona as vendas.

“Com as restrições de funcionamento de muitos estabelecimentos pelo Brasil, o setor, por ser essencial, foi uma opção na compra de diversos itens”, enfatizou Milan.

Nas vendas para a Páscoa, a associação espera um crescimento de até 15% em relação ao ano passado. De acordo com Milan, em 2021 os supermercados estão mais preparados para lidar com a pandemia, especialmente na logística de vendas pela internet.

Supermercados registram alta de 12% nas vendas Associação espera alta de 15% nas vendas de Páscoa. Crédito da foto: Pedro Negrão / Arquivo JCS (11/2/2021)

“Em 2020 fomos pegos de surpresa com a chegada da pandemia e do isolamento social bem próximos da Páscoa. Este ano o setor se preparou para as vendas em período mais remoto, e conta ainda com uma força maior do e-commerce, que ganhou mais clientes durante a pandemia”, ressaltou.

Os supermercados acreditam em boas vendas principalmente dos chocolates com menor valor agregado, como as caixas de bombons que, segundo as expectativas do setor, devem ter uma alta de 12,9% nas vendas deste ano. Para as barras e tabletes de chocolate é esperada um aumento de 11,8% na comercialização em comparação à Páscoa de 2020, e em relação aos ovos de chocolate de até 200 gramas, é prevista uma alta de 9,4%.

Neste ano, a Abras estima que as vendas dos supermercados devem ser 4,5% maiores do que ao longo de 2020. (Daniel Mello - Agência Brasil)