Economia

Setor de etanol prevê recuperação de demanda

Setor de etanol prevê recuperação de demanda
Recuperação do consumo já foi notada no fim de 2020. Crédito da foto: Daniel Guimarães / A2 Fotografia (22/7/2015)

Após as dificuldades de 2020, quando a pandemia da Covid-19 reduziu drasticamente a demanda por etanol, o setor do biocombustível torce por um ano melhor. A avaliação de fontes ouvidas é de que, se a pandemia for controlada, o mercado voltará a se aquecer e preços reagirão, principalmente porque a oferta restrita causada por um mix sucroenergético mais açucareiro deve beneficiar as cotações do biocombustível.

“Todos os indicadores apontam para uma melhora em 2021”, afirmou o diretor da Bioagência, Tarcilo Rodrigues. “A pandemia e a economia caminham juntas, e há uma perspectiva bem favorável para melhora da pandemia com a chegada das vacinas. Devemos ter uma segunda onda de Covid-19 misturada com a primeira no início, mas a perspectiva da economia é positiva para a totalidade do ano-safra, então acho que o consumo deve voltar para os padrões de 2019.”

O diretor do Departamento de Açúcar e Etanol da StoneX, Bruno Lima, também vê um cenário mais favorável. Para ele, a temporada 2021/22 de cana-de-açúcar, que começa em abril do ano que vem no Centro-Sul, deve ser menos açucareira do que a atual, já refletindo um avanço nos preços do biocombustível.

Leia mais  Morre de Covid-19 Raymundo Magliano Filho, ex-presidente da Bovespa

No fim de 2020, já foi possível observar uma recuperação, ainda que a pandemia não esteja controlada no Brasil. Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do etanol no País na semana terminada em 12 de dezembro avançou 4,39% em um mês, de R$ 3,051/litro para R$ 3,185/litro.

Além da retomada do consumo, o biocombustível é impulsionado pela recuperação do petróleo. O barril do Brent, que também caiu fortemente nas bolsas internacionais durante o pior momento da pandemia, agora acumula alta no mês de dezembro e nos últimos 30 dias. (Augusto Decker – Estadão Conteúdo)

Comentários