Brasil Economia Exterior

Putin: vacinas são chave para retomada econômica

Presidente da Rússia falou em reunião virtual na cúpula do Brics
Putin: vacinas são chave para retomada econômica
Vladimir Putin disse que seu país desenvolve três vacinas. Crédito da foto: Alexey Nikolskyafp / Sputnik / AFP (17/11/2020)

Num discurso que tocou em uma gama de variados assuntos, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, deu bastante ênfase à pandemia de coronavírus durante a abertura da XII Cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), da qual participou o presidente Jair Bolsonaro. Ele reforçou que o país tem desenvolvido vacinas contra a doença. Este ano, por causa do surto, a reunião foi realizada de forma virtual e a Rússia é o país anfitrião.

Segundo Putin, os membros do Brics reagiram rapidamente para combater a Covid-19. Ele enfatizou que seu país conta com três vacinas contra o vírus com pesquisas em andamento e salientou que o imunizador será fundamental para reabilitar as economias de todo o mundo. “Estamos intensificando nossos esforços e cooperação. Isso não é novo para os Brics”, avaliou. Ele considerou que os países do Brics têm conseguido preservar seus mercados financeiros por meio de atuação e mecanismos de suas instituições.

O presidente russo lembrou os demais líderes que participam da reunião que as discussões de ontem foram realizadas dias antes do encontro de chefes de Estado e de governo das 20 maiores economias do mundo (G-20), marcada para o fim de semana.

Leia mais  Acidente com ônibus no interior de SP deixa ao menos 41 mortos

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, destacou que seu país pode ser uma “força multiplicadora” para a recuperação global após a pandemia de Covid-19. Durante discurso na reunião dos Brics, ele citou a capacidade da Índia de produzir medicamentos em massa.

“Desafios estão tomando conta do mundo com impacto na estabilidade, segurança e crescimento. Nessas três áreas, os Brics têm importante papel”, avaliou.

Dos líderes do Brics, o premiê indiano foi o primeiro a tocar na questão do multilateralismo. Modi disse que seu país apoia o multilateralismo, mas que instituições com esse enfoque passam atualmente por uma crise. ‘A principal razão para isso é que elas não mudaram apropriadamente de acordo com o tempo”, afirmou

Em seu discurso, ele citou algumas delas como de fundamental importância para o mundo, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Leia mais  Economia Beneficiários do Bolsa Família com NIS 3 recebem auxílio nesta quinta

O primeiro-ministro salientou que a “culpa” da desatualização não é apenas das instituições, mas de todos os países que são seus membros. “Temos de assegurar que os países apoiem essas instituições”, disse, acrescentando que os Brics podem gerar uma tendência não apenas neste campo, mas também em outras áreas.

Bolsonaro vê ‘papel central’ do grupo para alavancar crescimento

Durante sua participação virtual na cúpula do Brics, o presidente Jair Bolsonaro destacou que o bloco está em “perfeita sintonia” e citou temas como o combate ao terrorismo e a busca por uma vacina contra a Covid-19. Bolsonaro defendeu ainda o respeito à soberania dos países para uma retomada do crescimento econômico pós-pandemia. Ele ressaltou o papel do Brics nesse processo. Segundo ele, o grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul pode desempenhar “papel central” para o combate ao vírus e retomada do crescimento.

Leia mais  Depois de 16 anos, Brasil voltará a presidir G20 em 2024

“Em 2020, o mundo volta a enfrentar uma crise de contornos desafiadores. Mais uma vez os países do Brics podem desempenhar papel central nos esforços da superação da Covid-19 e da retomada da economia”, disse. Em seguida, Bolsonaro acrescentou que “o caminho para o crescimento econômico depende da cooperação focada em benefícios mútuos e no respeito às soberanias nacionais”.

O presidente destacou ainda perspectivas futuras para a ampliação das relações de comércios do países do bloco. “Nossa cooperação deve incentivar a liberdade de criar e empreender. Estou certo que há espaço para ampliarmos medidas de promoção comercial entre nossos mercados”, declarou. (Célia Froufe e Emilly Behnke – Estadão Conteúdo)

Comentários