Economia

Mais de 13 milhões devem fazer compras de Natal de última hora, diz pesquisa

Em torno de 13,2 milhões de pessoas no País devem deixar para fazer as compras natalinas a poucos dias de comemoração da data
Black Friday adiantou compras de Natal
A pesquisa ainda mostra que 3% dos entrevistados devem adiar as compras de Natal para janeiro de 2020. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (8/12/2018)

Pesquisa mostra que muitos consumidores no Brasil devem deixar a compra de Natal para a última hora. De acordo com levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em torno de 13,2 milhões de pessoas no País devem deixar para fazer as compras natalinas a poucos dias de comemoração da data. O montante equivale a 10% daqueles que têm a intenção de presentear alguém nesta data, acima dos 8% registrados em 2018.

Conforme a pesquisa, a expectativa por promoções (48%) é a principal justificativa dos entrevistados para postergar as compras. Outros 20% estão à espera do pagamento da segunda parcela do décimo terceiro salário, enquanto 12% alegam falta de tempo para ir às compras. Uma outra fatia (11%) admite falta de organização e 10% citam a preguiça como argumento para empurrar a tarefa para a última hora.

A pesquisa ainda mostra que 3% dos entrevistados devem adiar as compras de Natal para janeiro de 2020, na esperança de aproveitar as tradicionais liquidações de início de ano. A maior parte dos consumidores se organizou para garantir os presentes ao longo de novembro (30%) ou na primeira quinzena de dezembro (41%).

Leia mais  Guedes anuncia saída de Salim Mattar e Paulo Uebel da Economia

Ao deixar as compras para a última hora, a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, afirma que isso acaba fazendo com que o consumidor não tenha tempo para se ater a detalhes importantes, como pesquisar preços de diferentes marcas ou lojas, podendo atrapalhar o orçamento familiar.

“Na correria para garantir todos os itens da lista e não deixar ninguém sem presente, muitas pessoas acabam recorrendo ao parcelamento de forma impensada ou compram o produto na primeira loja que visitam. O recomendado é preparar uma lista de todos os presenteados, estipular o quanto se pode gastar e sair de casa com o dinheiro contado. Isso ajuda a evitar que o consumidor gaste além do valor previsto”, afirma a economista. (Estadão Conteúdo)

Comentários