Brasil Economia

Guedes: valor médio do auxílio será de R$ 250

Guedes: valor médio do auxílio será de R$ 250
Se precisar, gasto poderá superar R$ 44 bi, disse o ministro. Crédito da foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil (8/3/2021)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou ontem que os valores da nova rodada de auxílio emergencial irão de R$ 175 a R$ 375, sendo, em média, R$ 250. “R$ 250 é o valor médio. Se for uma família monoparental dirigida por mulher é R$ 375. Se for um homem sozinho, é R$ 175. Se for o casal, são R$ 250. Isso é com o Ministério da Cidadania, só fornecemos parâmetros básicos, mas amplitude é com a Cidadania”, disse o ministro.

Guedes, disse que, se for necessário mais do que os R$ 44 bilhões reservados para o auxílio emergencial, o governo tem “protocolo para isso”. “Se na frente for exigido mais, temos protocolo para isso”, afirmou.

Os R$ 44 bilhões foram o teto determinado na Proposta de Emenda à Constituição (PEC), aprovada no Senado na semana passada, para os gastos com o auxílio neste ano. Guedes deu entrevista no Palácio do Planalto, apesar de não haver reunião no local prevista em sua agenda.

Leia mais  IPCA não indica pressão de demanda, avalia IBGE

Em uma aparente mudança de postura em relação à cúpula do governo, Guedes reforçou que a vacinação em massa é a “primeira prioridade do governo”.

O ministro voltou a dizer que a economia brasileira foi uma das que menos caiu no mundo e que teve “recuperação em V”. “O Brasil vai responder à altura da crise com vacinação em massa, auxílio emergencial e protocolo fiscal”, completou.

Desidratação

O presidente Jair Bolsonaro negocia com deputados a desidratação da PEC emergencial, para liberar a possibilidade de progressão e promoção de servidores públicos em novas situações de crise. Também estão sendo negociadas outras mudanças no texto que foi aprovado pelo Senado na semana passada, como a retirada da necessidade de o governo apresentar um plano para redução de subsídios e isenções.

O congelamento desse tipo de benefício do funcionalismo é defendido por Guedes, como uma das contrapartidas que precisam ser adotadas no chamado “protocolo de crise”. (Estadão Conteúdo)

Comentários