Economia

Governadores de 16 Estados pedem auxílio de R$ 600

Carta foi enviada aos presidentes da Câmara e do Senado
Governadores de 16 Estados pedem auxílio de R$ 600
Valores definidos pelo governo vão de R$ 175 a R$ 375. Crédito da foto: Rogério Uchoa / Ag. Pará (19/3/2021)

Em carta aos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), governadores de 16 Estados pedem que o Congresso disponibilize recursos necessários para que os valores da nova rodada do auxílio emergencial sejam superiores aos estabelecidos pelo governo federal em medida provisória, de R$ 175, R$ 250 e R$ 375. Eles defendem que a reedição do socorro a vulneráveis na pandemia repita a quantia mensal de R$ 600 e os critérios de acesso adotados nos oito desembolsos feitos em 2020.

Os gestores que assinaram a carta reforçam a dramaticidade do cenário no País com novos recordes de mortes diárias pela Covid-19, lotação de leitos hospitalares, ameaça de falta de medicamentos para intubações de pacientes graves e esgotamento dos profissionais da saúde. Lembram, também, que o calendário de vacinação e a obtenção de novas doses dos imunizantes contra o Sars-CoV-2 estão mais lentos do que as respostas necessárias para reverter o quadro atual.

“Agir contra esse cenário requer medidas sanitárias e garantia de uma renda emergencial. Somente com essas medidas seremos capazes de evitar o avanço da morte”, escrevem os governadores. “Por isso, entendemos que a redução dos valores do auxílio emergencial é inadequada para a eficácia da proteção da população. Enquanto a vacinação não acontecer em massa, precisamos garantir renda para a população mais vulnerável.”

Leia mais  País criou 401 mil empregos em fevereiro

Os signatários apontam ainda que, não obstante sua reivindicação, entendem a importância de o País manter o compromisso com a responsabilidade fiscal para, “logo à frente”, voltar a uma trajetória de ajuste das contas públicas que compatibilize programas sociais com formas responsáveis de financiá-los. “É importante entender o esforço de mitigação da crise atual para os mais vulneráveis como extraordinário e temporário”, dizem.

A carta é assinada por Renan Filho (MDB), de Alagoas; Waldez Góes (PDT), do Amapá; Rui Costa (PT), da Bahia; Camilo Santana (PT), do Ceará; Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo; Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão; Reinaldo Azambuja (PSDB), de Mato Grosso do Sul; Helder Barbalho (MDB), do Pará; João Azevêdo (Cidadania), da Paraíba; Ratinho Júnior (PSD), do Paraná; Paulo Câmara (PSB), de Pernambuco; Wellington Dias (PT), do Piauí; Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte; Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul; João Doria (PSDB), de São Paulo; e Belivaldo Chagas (PSD), de Sergipe.

Leia mais  Impacto do novo auxílio emergencial no comércio deve ser 8 vezes menor

Cidade do Rio terá ajuda para 900 mil pessoas

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, anunciou ontem o Auxílio Carioca, conjunto de medidas de alívio social para minimizar os efeitos da pandemia de Covid-19. Serão destinados R$ 100 milhões para cerca de 900 mil pessoas (14% da população carioca) mais vulneráveis, sendo R$ 70 milhões dos cofres da prefeitura e R$ 30 milhões da Câmara de Vereadores.

“Buscamos focar nas pessoas mais pobres, naquelas que não têm a rede de proteção necessária para passar esse período difícil de dez dias”, disse Paes, em alusão ao período que vai de 26 de março a 4 de abril em que foi adotada uma série de medidas emergenciais de isolamento social para o enfrentamento da pandemia na capital fluminense.

Leia mais  Janet Yellen diz estar trabalhando por imposto corporativo mínimo global

As cerca de 50 mil famílias que estão inscritas no programa de transferência de renda da prefeitura chamado Família Carioca vão receber R$ 12 milhões, uma média de R$ 240 por família. O Cartão Alimentação vai contemplar 643 mil alunos da rede municipal de ensino no valor de R$ 108,50 por estudante, em um total de R$ 70 milhões.

Também serão destinados R$ 200 para 23 mil famílias mais pobres inscritas no Cadastro Único do governo federal. A quarta vertente será para 13 mil vendedores ambulantes cadastrados na prefeitura que receberão R$ 500. (Nicholas Shores – Estadão Conteúdo)

Comentários