Economia

Empregos na indústria saem do negativo

Depois de dois meses de demissões, julho apresentou pequeno aumento em contratações na região de Sorocaba
Veículos e peças impulsionam a criação de vagas, embora números ainda sejam tímidos. Crédito da foto: Felipe Pinheiro / Arquivo Secom (2/8/2018)

O setor automotivo impulsionou o resultado positivo do emprego na indústria da região em julho, após desempenhos negativos em maio e junho. Foram criados no mês passado 150 postos de trabalho na regional de Sorocaba que é composta por 48 municípios. Os dados são do indicador Pesquisa de Nível de Emprego — elaborado pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp). Os setores que influenciaram a variação positiva na região de Sorocaba foram veículos automotores e autopeças (2,87%); produtos alimentícios (1,31%); máquinas e equipamentos (0,70%) e metalurgia (0,57%).

O diretor regional do Ciesp, Erly Domingues de Syllos, observa que o setor automotivo apresentava uma demanda reprimida devido aos reflexos da greve dos caminhoneiros, que prejudicou a produção e escoamento em maio e junho. A situação econômica da Argentina — destino de grande parte das exportações da região — também teria influenciado os resultados negativos anteriores. Em maio, a região perdeu 650 postos de trabalho e mais 650 em junho. Além da recuperação após a greve, o resultado positivo de julho teve contribuição das contratações de empresas como Toyota, REV (veículos especiais) e Tecsis (pás eólicas).

Leia mais  IBGE reduz previsão e safra de grãos deve crescer 1,9% neste ano

Na comparação com o ano passado, julho de 2018 teve um resultado menos expressivo. No mesmo período de 2017, o saldo de contratações foi de 500 postos de trabalho. Contudo, a análise do acumulado do ano mostra um cenário mais positivo. No ano passado, o resultado acumulado era de uma queda de aproximadamente 7.400 postos de trabalho. Enquanto em 2018, ocorreu um aumento de aproximadamente 650 vagas. Demonstrando que embora a criação de empregos esteja tímida, ao menos o fechamento de vagas desacelerou.

A perspectiva agora é manter o ritmo de crescimento no segundo semestre, de acordo com o diretor regional do Ciesp. Como as indústrias estão com as equipes reduzidas, se espera que com uma melhora da economia ocorram contratações. Contudo, Syllos avalia que essa perspectiva pode ser afetada pelo cenário político nacional — especialmente com a proximidade das eleições — e pela disputa comercial travada pelos Estados Unidos com a China e, mais recentemente, também com a Turquia. “É difícil fazer uma previsão sendo que tem esses fatores externos ao setor industrial que podem afetar sim a empregabilidade”, diz.

Comentários
Assuntos